9/3/15 16:53
Atualizado em 9/3/15 às 16:53

Governo fará novo repasse à Pioneira para encerrar greve

Pagamento refere-se à operação do BRT em fevereiro. Forma de pagamento foi acordada com a empresa

O governo do Distrito Federal fará um novo repasse à Viação Pioneira, de cerca de R$ 3 milhões, para que seja quitada a folha de pagamento de fevereiro. Desde sexta-feira (6), motoristas, cobradores e trabalhadores de manutenção da empresa estão em greve por falta de pagamento dos vencimentos. A expectativa do governo é que a assembleia da categoria, marcada para as 15 h desta segunda-feira (9), decida pelo fim da paralisação, normalizando o serviço de transporte público para 300 mil pessoas de nove regiões administrativas.

“Estamos fazendo um novo aporte. Esperamos que, desta vez, a Pioneira pague aos funcionários e que a greve seja encerrada ainda hoje”, comenta Carlos Tomé, secretário de Mobilidade. Para garantir que o repasse seja destinado à quitação da folha, o governo pretende incluir ainda hoje, na mesa de negociações, o Ministério Público do Trabalho.

Das cinco empresas que operam o sistema de transporte público do DF, a Pioneira foi a única que não pagou aos funcionários, mesmo tendo recebido R$ 3,5 milhões do governo na semana passada. Ela alega que o valor não foi o bastante para quitar a folha e as dívidas com os fornecedores. As outras quatro empresas também receberam repasses na semana passada, mas pagaram os funcionários e estão operando normalmente.

Emergência
Embora a prioridade do governo seja encerrar a greve com a quitação dos salários, um plano de emergência está sendo elaborado pelo Transporte Urbano do Distrito Federal (DFTrans) caso os trabalhadores decidam manter os braços cruzados. A ideia é deslocar ônibus das outras empresas para cobrir a área desassistida. A alternativa é complexa e só será utilizada caso a situação não se resolva com o repasse. A Pioneira tem a maior frota do DF, com 640 veículos.

O Plano de Ação Emergencial do Sistema de Transporte Público Coletivo foi criado pela Portaria nº 2, da Secretaria de Mobilidade, publicada no Diário Oficial do Distrito Federal de 23 de janeiro deste ano. O texto prevê o remanejamento de até 25% da frota entre as empresas que operam nas cinco bacias que dividem o sistema de transporte público. A medida foi pensada justamente para situações de greve e outras emergências que possam afetar o serviço oferecido aos usuários de ônibus.

BRT
O pagamento pela operação do Expresso DF Sul em fevereiro ainda não havia sido feito pois o governo não concordava com a sistemática para o repasse pelo serviço, que era por quilômetro rodado. “Agora temos condições de fazer uma contagem de quantos passageiros utilizaram o BRT ao longo do mês e, com base nisso, fazer o pagamento”, explica Tomé. Segundo o secretário, a Pioneira concordou com a mudança.

Além de o estudo sobre a nova forma de pagamento pela operação do BRT só ter ficado pronto na manhã de hoje, as decisões do repasse de R$ 3 milhões e da elaboração do plano de emergência foram tomadas em uma reunião na manhã desta segunda-feira entre o governador do Distrito Federal, Rodrigo Rollemberg, o diretor do DFTrans, Clóvis Barbará, e o secretário de Mobilidade.

Prejuízo
Com uma frota de 640 ônibus, a Pioneira atende a usuários de nove regiões administrativas: Itapoã, Paranoá, Jardim Botânico, Lago Sul, Candangolândia, Park Way, Santa Maria, São Sebastião e Gama. A paralisação deixou 300 mil usuários sem acesso ao transporte público. Com mais pessoas tirando os carros da garagem, o trânsito nos acessos a Brasília ficou bastante conturbado.