21/3/15 0:12
Atualizado em 21/3/15 à 0:12

Ex-servidor público é preso por facilitar aquisição de terrenos do Pró-DF

Homem foi flagrado ao receber dinheiro de um empresário

A prisão em flagrante de José Inácio da Silva, de 46 anos, por estelionato, pode desarticular uma quadrilha que atuava na antiga Secretaria de Desenvolvimento Econômico para favorecer a liberação de terrenos do Programa de Apoio ao Empreendimento Produtivo do Distrito Federal (Pró-DF). O homem, surpreendido na manhã desta sexta-feira (20) no estacionamento da Companhia Imobiliária de Brasília (Terracap), quando recebia R$ 1 mil de um interessado em terreno na Área de Desenvolvimento Econômico (ADE) Centro-Norte de Ceilândia, portava tabelas de preço e documentos falsificados.

Servidor público comissionado do governo do Distrito Federal de 1999 a 2007, período em que foi lotado nas secretarias de Coordenação das Administrações Regionais e de Relações Institucionais e Sociais, Silva responderá, na Delegacia de Crimes contra a Administração Pública, por estelionato e falsidade ideológica. A polícia também deve indiciá-lo por associação criminosa, delito caracterizado pela união de pelo menos três pessoas para praticá-lo. Isso indica que a polícia investiga, no mínimo, outros dois suspeitos.

“As investigações, que serão conduzidas com muita transparência, revelarão quantas pessoas estão envolvidas nesse caso”, afirmou o diretor-geral da Polícia Civil do DF, Eric Seba.

Golpes
Procurador de mais de 230 empresas, Silva se passava por despachante e usava, para aplicar seus golpes, o nome de autoridades, como o do vice-governador do DF, Renato Santana, e o do secretário de Economia e Desenvolvimento Sustentável, Arthur Bernardes. Estima-se que, nos últimos três anos, o ex-servidor público tenha extorquido R$ 750 mil de dois empresários, aos quais prometeu adiantar o processo de liberação de terrenos.

“Esse cidadão levava as vítimas a crer que era uma ação de órgãos de governo. Nós não toleraremos, em hipótese alguma, uma ação que não condiz com a prática e com a política de gestão pública”, ressaltou o vice-governador.

Velho conhecido da Polícia Civil do DF, onde responde inquérito por estelionato e é investigado em mais três processos pelo mesmo crime, Silva prometia facilidades para a liberação de 18 lotes na ADE Centro-Norte de Ceilândia.

Processos parados
As suspeitas de que um esquema de corrupção funcionava na antiga Secretaria de Desenvolvimento Econômico surgiram no início deste ano, quando a Secretaria de Economia e Desenvolvimento Sustentável passou a analisar 1,6 mil processos parados na pasta nos últimos dez anos. “Identificamos algumas empresas que foram contempladas um ano depois da abertura dos processos. Outras ficaram dez anos sem análise. Isso aconteceu com muita frequência”, informou o secretário Arthur Bernardes.

Veja a galeria de fotos: