10/4/16 13:32
Atualizado em 10/4/16 às 13:32

Obras de arte contemporânea chegam a Planaltina

Nascido e criado na região administrativa, João Angelini integra a lista de 20 expositores que, até junho, participam de mostra no museu histórico e artístico


O artista plástico João Angelini
O artista plástico João Angelini. Foto: Gabriel Jabur/Agência Brasília

O contato com a arte começou cedo na vida de João Angelini. A mãe, arquiteta, transformou o banheiro de casa em laboratório improvisado de fotografia, ocupação pela qual é apaixonada. O pai, médico, costumava levá-lo à olaria de mestres barreiros de Planaltina. Outra lembrança do artista visual é a comemoração da Festa do Divino Espírito Santo, considerada patrimônio cultural imaterial do DF. “Também temos um dos maiores teatros a céu aberto do País”, reforça ele, em referência à Via-Sacra do Morro da Capelinha.

Há pelo menos dois anos, o ateliê de Angelini foi transferido para uma sala no Setor de Diversões Sul, na Faculdade de Artes Dulcina de Moraes, onde é professor de artes plásticas desde 2008. Mesmo assim, o espírito cultural da região administrativa onde nasceu continua com o artista. Aos 35 anos, ele é um dos 20 selecionados para o 1º Salão Mestre D’Armas – Prêmio de Arte Contemporânea de Planaltina, e o único morador da localidade entre os integrantes da lista. De 24 de abril a 24 de junho, três de suas obras de arte tecnológica serão expostas no Museu Histórico e Artístico de Planaltina.

Mais 32 obras de outros artistas, entre quadros, fotos, performances, objetos e esculturas, integram a exposição que será lançada em 23 de abril, às 19 horas.

Valorização
O evento é uma iniciativa da presidente da Associação dos Amigos do Centro Histórico de Planaltina-DF, Simone dos Santos Macedo, que desde 2007 toca projetos com o objetivo de proteger e valorizar o patrimônio público. “O acervo de lá está dilacerado pelo tempo. É preciso recuperá-lo, renová-lo”, destaca.

Para a mostra, a artesã de 56 anos, que vive em Planaltina desde 1995, conseguiu financiamento de R$ 213 mil do Fundo de Apoio à Cultura (FAC) em nome da associação. De acordo com ela, além de movimentar o museu com exposições temporárias e de qualidade, a mostra tem potencial para desenvolver o comércio, a cultura e o turismo.

A associação presidida por Simone promove atividades como rodas de conversa, saraus, oficinas e encontros em que discutem o patrimônio histórico e artístico da região. Ela adianta ainda que o grupo estuda parceria com a Secretaria de Cultura para aumentar o tempo de exposição das obras.

Mostra
Artistas do DF e do Entorno tiveram de dezembro a janeiro para inscrever de uma a três obras. Foram aceitas inscrições em áreas como arte computacional, desenho, escultura, fotografia, gravura, instalação, intervenção urbana (com registro), objeto, performance (com registro), pintura, site específico e vídeo. Performances e instalações, por exemplo, só puderam ser inscritas uma vez por pessoa. Em caso de obras de artes plásticas, foram permitidas até três.

No evento de lançamento serão revelados os três primeiros lugares, entre os 20 artistas selecionados. Eles serão premiados com R$ 8 mil, R$ 6 mil e R$ 4 mil, respectivamente. Aqueles classificados do quarto ao 20º lugar receberão R$ 3 mil como prêmio de participação.

1º Salão Mestre D’Armas de Arte Contemporânea
Abertura: 23 de abril, às 19 horas
Visitação: De 24 de abril a 24 de junho
De quarta a domingo, das 8 horas ao meio-dia e das 14 às 18 horas
No Museu Histórico e Artístico de Planaltina (Praça Coronel Salviano Guimarães, nº 24, Setor Tradicional)
Entrada franca

Veja a galeria de fotos:

https://www.flickr.com/photos/agenciabrasilia/albums/72157664699621053″ title=”Obras de arte contemporânea chegam a Planaltina”>https://farm2.staticflickr.com/1544/25741640614_93bf51b3d6_c.jpg”width=”800″ height=”533″ alt=”Obras de arte contemporânea chegam a Planaltina”>