3/5/16 11:26
Atualizado em 11/4/18 às 10:00

Jovens brasilienses recebem apoio para ser esportistas

Beneficiada pelo governo, a aluna de educação física Lorena Alves, de 18 anos, sonha em chegar a uma Olimpíada

A estudante de educação física Lorena Nunes Alves, de 18 anos, ganhou duas medalhas de bronze no Campeonato Interclubes Juvenis
A estudante de educação física Lorena Nunes Alves, de 18 anos, ganhou duas medalhas de bronze no Campeonato Interclubes Juvenis. Foto: Renato Araújo/Agência Brasília

Diferentemente do informado, os contratos com o Instituto Joaquim Cruz e o Centro de Treinamento de Educação Física Especial foram assinados em 15 de março e em 7 de abril, respectivamente, e não em 27 de abril.

Mais do que se tornar atleta, ela quer ser campeã olímpica. A estudante de educação física Lorena Nunes Alves, de 18 anos, ganhou duas medalhas de bronze no Campeonato Interclubes Juvenis, em abril, em São Bernardo do Campo (SP). A brasiliense chegou em terceiro lugar nas provas de corrida de 3 mil e de 5 mil metros.

“Meu sonho é estar nas olimpíadas”, diz a participante do Futuro Campeão, projeto do governo de Brasília que visa incentivar a preparação de atletas. Moradora de Sobradinho, Lorena recebe vale-transporte, lanches e tem a chance de viajar para competir em outras unidades da Federação.

Na quarta-feira (27), foram publicados no Diário Oficial do Distrito Federal dois termos de cooperação assinados pela Secretaria do Esporte, Turismo e Lazer a fim de contribuir para a formação de novos campeões.

Assinado em 15 de março deste ano, um dos acordos trata de parceria com o Instituto Joaquim Cruz para atender 16 alunos de 15 a 24 anos, no Centro Olímpico e Paraolímpico de Ceilândia (Parque da Vaquejada). A meta é prepará-los para os Jogos Olímpicos de 2020. O contrato é uma renovação de anos anteriores, quando o Futuro Campeão já existia.

Com isso, além de dar continuidade ao programa, o governo amplia o trabalho que vinha sendo feito. “Temos a avaliação física, mas agora também contaremos com a fisiológica, que examina o nível de glicose dos atletas”, destaca o coordenador dos Centros Olímpicos, Paraolímpicos e Espaços Esportivos, da Secretaria-Adjunta do Esporte e Lazer, vinculada à pasta do Esporte, Turismo e Lazer, Marcos Aurélio Guedes. Entre as novidades proporcionadas pelos convênios, ele cita ainda novos aparelhos para musculação.

As mudanças também valem para o termo de cooperação assinado em 7 de abril deste ano com o Centro de Treinamento de Educação Física Especial, que atende atletas paraolímpicos. O objetivo é estimular as habilidades esportivas e a inclusão de pessoas com deficiência física, auditiva, visual ou intelectual. Podem participar alunos com mais de 6 anos. Os atendimentos são às segundas e terças-feiras, das 9 às 12 horas e das 14 às 17 horas, na Área 2A do Setor de Áreas Isoladas Sul, no Setor Policial Sul.

Centros olímpicos e paraolímpicos do DF

Os exercícios físicos oferecidos pelos centros olímpicos e paraolímpicos de Brasília também promovem inclusão social, já que incentivam as crianças a praticar esporte em vez de ficar nas ruas. Ainda que sejam voltadas inicialmente para crianças e adolescentes, as unidades têm opções destinadas a idosos.

Entre as 11 em todo o Distrito Federal, sete dispõem de treinamento especial para algumas modalidades. A ideia é que os centros sejam referência na preparação de atletas. Em Ceilândia, os esportes que se destacam são a ginástica rítmica e o vôlei sentado; na Estrutural, a ginástica acrobática; no Gama, os saltos ornamentais; em Samambaia, a natação; em São Sebastião, o tênis; em Sobradinho, o atletismo; e no Recanto das Emas, o voleibol.

Leia também:

Atleta do Futuro Campeão em Samambaia disputa torneio nacional 

Veja a galeria de fotos:

Jovens brasilienses recebem apoio para ser esportistas campeões