7/6/16 19:16
Atualizado em 8/6/16 às 21:06

Inscrições abertas para evento que antecede 8º Fórum Mundial da Água

Em 27 e 28 de junho, primeiro grande encontro antes da reunião global em 2018 tem 500 vagas. Interessados têm até o dia 20 para se registrar gratuitamente

Pessoas de várias partes do mundo se reunirão em Brasília, em 27 e 28 de junho, para o primeiro grande evento antes da oitava edição do Fórum Mundial da Água, que ocorrerá em 2018. Para se inscrever gratuitamente, basta acessar o site e preencher o formulário. São 500 vagas, e o prazo se encerra em 20 de junho. O evento será no Centro de Convenções Ulysses Guimarães.

Segundo o secretário-executivo do 8º Fórum Mundial da Água, Rodrigo Barbosa, 250 pessoas de diversos países já se inscreveram. Não há pré-requisitos para participar.

No encontro preliminar, serão levantados os temas que basearão o fórum de março de 2018. De acordo com o secretário-executivo, haverá encontros semelhantes em outros países, com o mesmo objetivo: adiantar o que se discutirá no evento mundial. Brasília ainda deve ter outras duas reuniões como essa em 2017.

Dinâmica

Durante dois dias, os participantes farão parte de grupos divididos em: temático, que debaterá os assuntos abordados no fórum; político, que reunirá governantes e parlamentares na discussão de estratégias que envolvam a água; regional, que dissertará sobre as perspectivas locais em várias partes do mundo; e sustentável, que abordará perspectivas do uso consciente do recurso hídrico.

Brasília será o primeiro local no Hemisfério Sul a receber o fórum mundial. O evento, que ocorre a cada três anos, já passou por Daego, na Coreia do Sul (2015); Marselha, na França (2012); Istambul, na Turquia (2009); Cidade do México, no México (2006); Kyoto, no Japão (2003); Haia, nos Países Baixos (2000); e Marrakesh, no Marrocos (1997). Em 2018, o lema será Compartilhando Água.

“Há uma conexão histórica e geográfica de Brasília com a água. Temos duas das principais bacias brasileiras. Esse evento deixará para a capital federal um legado de conscientização da comunidade, sem contar com a definição de projetos e o aperfeiçoamento de políticas públicas”, resume Barbosa.