16/9/16 19:54
Atualizado em 7/12/16 às 12:01

Projeto Escola Compartilhada começa neste sábado (17) em Ceilândia

Criada pela Secretaria de Educação do DF, a iniciativa tem como objetivo promover a cidadania. As ações fazem parte do programa Viva Brasília – Nosso Pacto pela Vida

Após quatro edições-piloto, de abril a julho deste ano, o projeto Escola Compartilhada começa a ser implementado no Distrito Federal. A primeira atividade do segundo semestre ocorrerá neste sábado (17), no Centro de Ensino Fundamental 18, em Ceilândia, das 9 às 17 horas. Serão oferecidos diversos serviços ao público.

Criada pela Secretaria de Educação do DF, a iniciativa tem como objetivo estreitar os laços com a comunidade e promover a cidadania por meio de atividades de valorização e compromisso com o espaço escolar. As ações fazem parte do programa Viva Brasília – Nosso Pacto pela Vida, da Secretaria da Segurança Pública e da Paz Social.

A primeira região administrativa a receber o projeto foi a Estrutural, onde houve quatro eventos: dois no Centro de Ensino Fundamental 2 e outros dois no Centro Educacional 1. As escolas fizeram oficinas e abriram as portas para diversos órgãos do governo de Brasília e parceiros. Segundo a secretaria, as unidades de ensino foram escolhidas por estarem em área de vulnerabilidade social.

Neste ano haverá ainda três edições: no Centro de Ensino Médio 2, em Planaltina, em 1º de outubro; na Escola Classe Varjão, em 22 de outubro; e no Centro de Ensino Fundamental 411 de Samambaia, em 19 de novembro. De acordo com a secretaria, a proposta é que em 2017 o projeto se estenda para todas as coordenações regionais de ensino e que elas mantenham um cronograma regular de atividades do Escola Compartilhada.

Entre as atividades oferecidas estão palestras com conselheiros tutelares sobre os direitos das crianças e dos adolescentes, exames de saúde — como testes de HIV e aferição de pressão e glicemia —, além de práticas esportivas, como futebol, basquete e tênis de mesa, todos ofertados gratuitamente.

Além da Secretaria de Educação, estão envolvidos no projeto mais de 20 parceiros, como as administrações regionais, secretarias de Estado, Caesb, SLU, Defensoria Pública, Plícias Militar e Civil, Corpo de Bombeiros, Detran e Sindicato dos Estabelecimentos Particulares de Ensino do DF.

Uma das ações que compõem o Escola Compartilhada nesta segunda temporada é o programa Viva Brasília – Nosso Pacto Pela Vida, da Secretaria da Segurança Pública e da Paz Social. A iniciativa tem como objetivo integrar órgãos governamentais, sociedade civil e movimentos voluntários no desenvolvimento de ações que diminuam a criminalidade envolvendo a juventude.

Para alcançar essa meta, o programa é dividido em três eixos: Núcleo de Articulação Territorial Escolar, Brasília Cidadã na Escola e Comitê da Paz na Escola. O primeiro levará policiais militares, assistentes sociais e conselheiros tutelares para as escolas, a fim de debater com os alunos e gestores os perigos que cercam aquela comunidade. No segundo, voluntários cadastrados no Portal do Voluntariado vão trabalhar para atender a demandas dos estudantes. Já o terceiro apostará no protagonismo dos próprios adolescentes. Nele, a aproximação entre órgãos de segurança e alunos será intermediada por jovens que exercem papel de liderança na unidade escolar.

Edição: Gisela Sekeff