3/10/16 20:59
Atualizado em 24/5/17 às 10:25

Terreno no Gama é substituído por outros três para recompor fundo do Iprev

Área fazia parte do total de 108 imóveis a serem doados e desapropriados, conforme sugerido em projetos de lei. Instituto reverteu parte do superávit de 2015 para manutenção do Fundo Financeiro

Um terreno no Gama foi substituído por outros três — em Águas Claras, no Jockey Club e no Setor Noroeste — como parte da recomposição do patrimônio do Instituto de Previdência dos Servidores do Distrito Federal (Iprev-DF).  A área fazia parte de um total de 108 imóveis a serem doados e desapropriados, conforme sugerido em dois projetos de lei enviados à Câmara Legislativa em 12 de setembro.

"Faremos a recomposição do superávit utilizado no ano passado com terrenos bem localizados e valorizados, que vão garantir a saúde financeira do Iprev."Rodrigo Rollemberg, governador de Brasília

A troca foi proposta pelo governador de Brasília, Rodrigo Rollemberg em reunião no Palácio do Buriti nesta segunda-feira (3). “Faremos a recomposição do superávit utilizado no ano passado com terrenos bem localizados e valorizados, que vão garantir a saúde financeira do Iprev”, explicou.

Reunião com o governador Rollemberg discutiu a recomposição do Iprev.
Reunião com o governador Rollemberg discutiu a recomposição do Iprev. Foto: Toninho Tavares/Agência Brasília

A área no Noroeste inclui quatros lotes comerciais no valor de R$ 24,49 milhões. A de Águas Claras é um terreno de R$ 21,6 milhões. Já a do Jockey Club é uma gleba de R$ 147 milhões. A soma dos três imóveis equivale a R$ 193,09 milhões. O valor final de todos os imóveis que serão incorporados ao patrimônio do Iprev é de R$ 1,3 bilhão. Setenta e dois deles serão doados pela Agência de Desenvolvimento do DF (Terracap).

“A avaliação é que os terrenos que o governador apresentou agora têm maior liquidez e apelo comercial. Eles são mais interessantes para o Iprev”, disse o diretor presidente do instituto, Adler Anaximandro, que participou da reunião.

A recomposição é prevista na Lei Complementar nº 899, de 30 de setembro de 2015, que autorizou o Iprev-DF, temporariamente, a reverter parte do superávit do Fundo Previdenciário do DF para a manutenção do Fundo Financeiro. Com a transferência entre fundos, o governo de Brasília pôde contar com R$ 1,2 bilhão, de outubro de 2015 a janeiro deste ano, para pagar os salários dos servidores em dia.

Edição: Raquel Flores