16/1/17 18:37
Atualizado em 17/1/17 às 18:21

Rede de proteção à mulher atendeu mais de 18 mil pessoas em 2016

Vítimas de violência têm auxílio psicológico, social e jurídico, além de atividades de inclusão e de cursos profissionalizantes. Aluna da turma de massagem terapêutica, Ana Maria Neves teve experiência marcante

A Secretaria do Trabalho atualizou o número dos telefones dos centros especializados e dos núcleos de atendimento a famílias e aos autores de violência doméstica.

Em 2016, a Secretaria do Trabalho, Desenvolvimento Social, Mulheres, Igualdade Racial e Direitos Humanos atendeu 18.544 pessoas nas unidades da rede de proteção à mulher do Distrito Federal. Nesses locais, as vítimas de violência doméstica recebem orientação psicológica e de resgate da cidadania, além de encaminhamento jurídico. Elas também participam de atividades pedagógicas para se preparar para o mercado de trabalho.

Ana Maria Neves, de 52 anos, foi atendida pela rede de proteção e fez curso de massagem terapêutica.
Ana Maria Neves, de 52 anos, foi atendida pela rede de proteção e faz curso de massagem terapêutica. Foto: Toninho Tavares/Agência Brasília

Fazem parte da rede quatro centros especializados em questões do gênero feminino; nove núcleos de atendimento a famílias e aos autores de violência doméstica; a Casa Abrigo; a Casa da Mulher Brasileira; e a Unidade Móvel de Atendimento às Mulheres Rurais e do Cerrado.

Por intermédio dos centros especializados, que oferecem acolhimento e apoio psicossocial e jurídico, Ildene Sousa, autônoma de 55 anos, teve o incentivo que precisava para se recuperar após sofrer violência doméstica. “Tive apoio total na área psicológica, eu estava muito doente, abalada emocionalmente. Encontrei tudo o que precisava aqui.”

"Tive apoio total na área psicológica, eu estava muito doente, abalada emocionalmente. Encontrei tudo o que precisava aqui"Ildene Sousa, vítima de violência doméstica

Ildene foi atendida na Casa da Mulher Brasileira, projeto da Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres da Presidência da República em parceria com o governo de Brasília. Na casa há acesso facilitado para a delegacia, o juizado, o Ministério Público do DF e Territórios e a Defensoria Pública; promoção de autonomia econômica; cuidado para crianças; alojamento de passagem; e central de transporte.

Capacitação profissional e reabilitação da autoestima

Outra oportunidade são os cursos profissionalizantes do Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec) Mulheres Mil, do governo federal, executado no DF pela Secretaria de Educação. “Eu tinha acabado de ficar desempregada e estava em processo de divórcio quando fui encaminhada para fazer as aulas”, conta Fernanda Viana, de 38 anos, que concluiu o curso de recepcionista em 2016.

Auxiliar administrativo, cuidador de idoso, recepção em saúde e massoterapia são outras especialidades disponíveis nos quatro Centros Especializados de Atendimento à Mulher de Brasília. Eles funcionam na Casa da Mulher Brasileira e em mais três lugares: Ceilândia, Planaltina e na estação do metrô da 102 Sul.

Ioga e palestras também fazem parte do atendimento. Segundo Fernanda, “o convívio com pessoas que passam pela mesma situação é importante para as vítimas perceberem que há como seguir em frente após o trauma”.

Aluna da turma de massagem terapêutica, Ana Maria Neves, de 52 anos, é outra mulher com uma história marcante amparada pela rede de proteção. “A primeira coisa trabalhada aqui é a autoestima. Depois, temos o incentivo para participar das atividades e não ficar parada. Esse é meu segundo curso e me sinto preparada para continuar a vida”, relata.

4.611Quantidade de atendimentos na Casa da Mulher Brasileira em 2016

Os cursos, ministrados até agora a 470 mulheres, têm duração de quatro meses e disciplinas básicas como matemática, português e informática. Ainda não há informações sobre novas turmas.

Atendimentos nas unidades da rede de proteção

Em 2016, houve 4.611 atendimentos na Casa da Mulher Brasileira, incluindo alojamento temporário, transporte e palestras. Nos quatro centros especializados, foram recebidas 2.690 pessoas.

No mesmo período, a Casa Abrigo acolheu 3.949 mulheres vítimas de ameaças e seus dependentes, em local sigiloso e protegido. E a unidade móvel levou os atendimentos para 941 pessoas de diferentes regiões administrativas.

Enquanto isso, os nove núcleos de atendimento a famílias e aos autores de violência doméstica deram orientações psicológicas da rede de proteção à mulher para 5.883 agressores. O objetivo é fazer com que esses homens reinterpretem os atos de violência e se reinsiram socialmente graças a um entendimento de igualdade de gênero. As unidades também prestam atendimento integral às famílias que convivem ou conviveram com situações de violência.

Núcleos de atendimento às famílias e aos autores de violência doméstica

Funcionam de segunda a sexta-feira, das 12 às 19 horas

Brazlândia

Fórum de Brazlândia (Área Especial 4, 1° andar, Setor Tradicional)

(61) 3479-6506

Gama

Promotoria de Justiça (Quadra 1, Lotes 860/800, Subsolo, Setor Industrial)

(61) 3384-7469

Núcleo Bandeirante

Promotoria de Justiça (Setor de Indústrias Bernardo Sayão, Quadra 3, Conjunto B, Lote 2/4)

(61) 3552-2064

Paranoá

Promotoria do Paranoá (Quadra 4, Conjunto B, Sala 111, Grande Área)

(61) 3369-6850

Planaltina

Promotoria de Planaltina (Área Especial 10/A, Térreo, Setor Tradicional)

(61) 3388-1984

Plano Piloto

Fórum Desembargador José Leal Fagundes (Setor de Múltiplas Atividades Sul, Trecho 3, Lotes 4/6, Bloco 1, Térreo, Sala 30)

(61) 3214-4420

Samambaia

Fórum de Samambaia (QR 302, Área Urbana 1)

(61) 3358-7476

Santa Maria

Promotoria de Justiça (Quadra 211, Conjunto A, Lote 14)

(61) 3394-3006

Sobradinho

Promotoria de Justiça (Edifício Sylvia, Quadra Central, Bloco 7, Térreo)

(61) 3591-3640

 

Centros especializados de atendimento à mulher

Funciona de segunda a sexta-feira, das 8 às 18 horas

Estação do metrô da 102 Sul

(61) 3223-7264

Casa da Mulher Brasileira (SGAN 601, Lote J, Plano Piloto)

(61) 3224-6221

Ceilândia (QNM 2 Conjunto F, Lotes 1/3)

(61) 3373-6668

Planaltina (Jardim Roriz, Área Especial, Entrequadras 1 e 2)

(61) 3389-8189

Edição: Paula Oliveira

Galeria de Fotos

Rede de proteção à mulher atendeu mais de 18 mil pessoas em 2016