26/6/17 19:11
Atualizado em 27/6/17 às 9:21

Morre a tigresa Laila, de falência renal, aos 21 anos

Felina, que já sinalizava problemas de saúde nos últimos meses, integrava o programa de reprodução de espécies ameaçadas do Zoológico de Brasília

Acometida de falência renal, morreu no sábado (24), aos 21 anos, a tigresa Laila, com a qual a Fundação Jardim Zoológico de Brasília trabalhava em seu programa de reprodução de espécies ameaçadas.

A tigresa Laila morreu no sábado (24), aos 21 anos.
A tigresa Laila morreu no sábado (24), aos 21 anos. Foto: Andre Borges/Agência Brasília – 2.6.2017

A tigresa teve piora no quadro de saúde no mês passado. Na última semana, a situação se agravou, e ela não resistiu. O animal viveu sete anos a mais do que a expectativa em vida livre, que é de 14 anos.

De acordo com o diretor do Zoológico, Gerson Norberto, o grande felino já sinalizava problemas, o que levou a equipe técnica do órgão a fazer exames extras há cerca de 40 dias.

À época, veterinários alteraram a medicação para amenizar o sofrimento e propiciar maior conforto.

A fundação tem papel concreto na conservação de espécies. Além de manter geneticamente saudáveis os grupos sob sua guarda, adota medidas para garantir seu bem-estar e reprodução.

Laila era a mais temperamental dos três tigres-de-bengala nascidos no Zoológico de Brasília

“O Zoo faz pesquisas a respeito das espécies sob seus cuidados, muitas vezes em parceria com instituições nacionais e internacionais e também desenvolve educação ambiental, aumentando a consciência e conhecimento do público sobre os desafios da preservação da fauna silvestre”, frisa Norberto.

Além de Laila, a fundação trabalha com os tigres-de-bengala Rabisco e Maia. O trio nasceu no próprio Zoológico de Brasília e é a segunda geração dos felinos que vivem sob cuidados do órgão.

Eles são filhos dos tigres Hanny e Sultão (já falecidos). De acordo com o tratador, Antônio Paulo Soares, com mais de 30 anos dedicados aos animais, Laila era a mais temperamental.

A conservação ex situ, praticada pelo Zoológico de Brasília, destina-se à preservação de fauna fora do seu habitat natural. No caso dos animais, ela visa ao desenvolvimento de técnicas de reprodução e manejo em cativeiro.

Permite também treinamento de pessoal técnico-científico, ampliação dos comitês de manejo das espécies silvestres, estabelecimento e incentivo aos programas de educação ambiental, ações que permitem a manutenção da fauna em longo prazo.

“Zoológicos são hoje indispensáveis para salvar a biodiversidade”, diz Norberto. “Nenhum outro lugar tem mais conhecimento do que um zoológico para produzir uma população capaz de sobreviver, com poucos exemplares de uma espécie.”

Edição: Vannildo Mendes

Galeria de Fotos

Morre a tigresa Laila, de falência renal, aos 21 anos