23/3/18 20:05
Atualizado em 26/3/18 às 10:13

Criada aliança entre governo e sociedade para preservar Bacia do Descoberto

O acordo de cooperação foi assinado durante o 8º Fórum Mundial da Água. O pacto é formado por 21 órgãos federais, do DF e de Goiás

Com o objetivo de preservar a maior bacia hidrográfica do Centro-Oeste, uma coalizão entre 21 instituições governamentais e da sociedade foi formada nesta sexta-feira (23) no 8º Fórum Mundial da Água.

A Barragem do Descoberto em fevereiro de 2018.
A Barragem do Descoberto em fevereiro de 2018. Foto: Dênio Simões/Agência Brasília – 21/2/2018

A Aliança pelo Descoberto visa ampliar as atividades de proteção ambiental já desenvolvidas no local, além de apoiar o desenvolvimento da agricultura sustentável.

O pacto integrará órgãos federais, do Distrito Federal e do estado de Goiás. São eles:

  • Agência Nacional de Águas (ANA)
  • Agência Reguladora de Águas, Energia e Saneamento Básico do DF (Adasa)
  • Associação de Agricultura Ecológica
  • Área de Preservação Ambiental da Bacia Do Descoberto
  • Companhia De Saneamento Ambiental (Caesb)
  • Centro Internacional de Água e Transdisciplinariedade
  • Departamento de Estradas e Rodagem
  • Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do DF (Emater-DF)
  • Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa)
  • Fundação Banco do Brasil
  • Instituto Brasília Ambiental (Ibram)
  • Associação dos Produtores e Protetores da Bacia do Rio Descoberto
  • Secretaria da Agricultura, Abastecimento e Desenvolvimento Rural
  • Secretaria de Meio Ambiente, Recursos Hídricos, Infraestrutura, Cidades e Assuntos Metropolitanos (GO)
  • Secretaria do Meio Ambiente do DF
  • Secretaria Municipal de Meio Ambiente de Águas Lindas
  • Secretaria Municipal de Meio Ambiente de Padre Bernardo
  • Superintendência de Desenvolvimento do Centro-Oeste (Sudeco)
  • Instituto de Conservação Ambiental The Nature Conservancy do Brasil (TNC)
  • Fundação Universidade De Brasília
  • World Wildlife Brasil (WWF-Brasil)

De acordo com Miguel Sartori, coordenador do Projeto Descoberto Coberto – uma das principais iniciativas do governo de Brasília na região –, a aliança começou a ser delineada há cerca de dois anos.

“Já existem várias ações na bacia. O foco será integrá-las para fortalecer e dar escala a esses trabalhos”, explica. Conservação do solo, revegetação do Cerrado e incentivo ao uso racional da água são algumas prioridades.

"O intuito é garantir a segurança hídrica do Descoberto, tanto por ser um polo de produção de alimento, como o principal manancial de abastecimento do DF"Miguel Sartori, coordenador do projeto Descoberto Coberto

A Aliança pelo Descoberto será chefiada por uma unidade de gestão de projetos, formada por representantes das instituições signatárias.

A seção será responsável por elaborar o regimento interno da aliança e coordenar os grupos de trabalho internos, divididos por área temática.

Sartori enfatiza a importância da bacia. “O intuito da coalizão é garantir a segurança hídrica do Descoberto, tanto por ser um polo de produção de alimento, como o principal manancial de abastecimento do DF”, diz.

O acordo de cooperação não prevê repasses de verbas, vez que engloba projetos já desenvolvidos com recursos dos órgãos participantes.

Projeto prevê revegetação de 30 hectares este ano

Instituído pela Adasa em 2009, o Projeto Descoberto Coberto visa recuperar as margens da represa com o plantio de árvores nativas. A iniciativa também envolve ações de educação ambiental e gestão dos recursos hídricos.

200 milTotal de mudas plantadas até agora para recuperação ambiental na orla do Lago Descoberto

Já foram plantadas aproximadamente 200 mil mudas, 90 mil delas pela Caesb, em 19 propriedades, que cobrem uma área de 37,3 hectares, na orla do Lago Descoberto. Além disso, mais de 100 mil mudas foram distribuídas pela Secretaria da Agricultura para produtores da Bacia do Rio Descoberto.

Para 2018, está prevista a revegetação de mais 30 hectares. A metodologia usada será a de “semeadura direta”. A técnica se baseia no lançamento de uma mistura de sementes – de árvores, arbustos e gramíneas –, em vez do plantio de mudas, com o objetivo de reproduzir mais fielmente a vegetação do Cerrado.

Parte do trabalho será em parceria com empresas privadas, que colaborarão com a iniciativa como forma de compensação ambiental.

Desde a criação, o Projeto Descoberto Coberto também levou diversas atividades a escolas urbanas e rurais da rede pública. Em 2013, por exemplo, 5.600 alunos participaram de palestras sobre uso sustentável da água, com o apoio do programa Adasa na Escola.

Em 2012, foram formados 25 agentes comunitários ambientais, que visitaram 667 propriedades para falar sobre educação ambiental e a importância da bacia.

Edição: Vannildo Mendes