15/5/18 11:17
Atualizado em 15/5/18 às 11:17

Consulta pública do Ibram lista espécies invasoras da fauna e da flora do Cerrado

Prazo para sugestões e colaborações vai até 25 de maio. Relação foi feita com base em estudos sobre o impacto de centenas de plantas e animais exóticos no bioma da região

Está aberta a consulta pública on-line do Instituto Brasília Ambiental (Ibram) sobre espécies invasoras da fauna e da flora do Distrito Federal.

A lista faz parte de um levantamento e de estudos sobre o impacto de centenas de plantas e animais exóticos no bioma Cerrado.

Os trabalhos foram desenvolvidos em parceria com o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) e o Ministério do Meio Ambiente.

O prazo para colaborações é 25 de maio, e os interessados podem conhecer as listas preliminares da flora e da fauna no site do Ibram.

"Essas espécies são beneficiadas pela degradação ambiental e são bem-sucedidas em ambientes e paisagens alterados"Alisson Neves, coordenador de Flora do Ibram

Vantagens competitivas e ausência de inimigos naturais dão aos exóticos a capacidade especial para proliferação e invasão de ecossistemas, sejam naturais ou antropizados, como explica o coordenador de Flora do Ibram, Alisson Neves.

“Essas espécies são beneficiadas pela degradação ambiental e são bem-sucedidas em ambientes e paisagens alterados. Além disso, o potencial invasor e a severidade dos impactos causados podem ser intensificados em razão das mudanças climáticas”, acrescenta.

Algumas evidências nesse sentido já são admitidas. É o caso da forte presença de ervas e gramíneas inseminadas no passado como estratégias de potencialização econômica.

Alguns exemplos são os capins:

  • Cana-do-reino (Arundo dona)
  • Colonião (Urochloa maxima)
  • Diversas variedades do braquiária (Brachiaria decumbens)
  • Gordura (Melinis minutiflora)
  • Jaraguá (Hyparrhenia rufa)
  • Trapoeraba (Tradescantia zebrina)

Trazidas para formar pastos e forragens, essas espécies se reproduziram depois sem controle e afetaram áreas de proteção. A fauna original do ecossistema do Cerrado também tem muitos casos de espécies exóticas que proliferaram.

Da lista prévia levantada pelos cientistas do Ibram, do ICMbio e do Ministério do Meio Ambiente constam, por exemplo, o javali (Sus scrofa), o mico-do-tufo-branco (Callithrix jacchus) e o gato doméstico (Felis catus).

Entre centenas de aves consideradas invasoras estão o pombo (Columba lívia), o galo-de-campina e até pardais.

Também são relacionadas dezenas de répteis, como o jacaré-açu (Melanosuchus níger) e peixes trazidos para habitar lagos e rios, como a tilápia (Tilapia rendalli), o bagre africano (Clarias gariepinus) a carpa comum (Cyprinus carpio) e o tucunaré (Cichla ocellaris).

A lista começou a ser elaborada no ano passado, após encontros entre técnicos das Coordenações de Flora e de Fauna do Ibram, do ICMBio e do Meio Ambiente.

Depois da consulta pública, o passo seguinte será reunir a comunidade científica, os setores produtivos e a sociedade civil para debater os manejos necessários à proteção do Cerrado do DF.