17/11/18 10:14
Atualizado em 17/11/18 às 10:38

Paralimpíadas Escolares terão 68 estudantes do DF

A 12ª edição dos jogos ocorrerá em São Paulo de 19 a 24 de novembro

De 19 a 24 de novembro, 68 estudantes-atletas do Distrito Federal competirão na 12ª edição das Paralimpíadas Escolares. O evento ocorrerá em São Paulo, no Centro de Treinamento Paralímpico Brasileiro.

Atletas de 12 a 18 anos, de todos os estados e do Distrito Federal, competirão em modalidades como atletismo, goalball, tênis de mesa, judô, futebol de 5, futebol de 7 e vôlei sentado. Além dessas categorias esportivas, os competidores da delegação brasiliense, composta por 103 membros, têm grandes chances de medalha no basquete em cadeira de rodas, no tênis em cadeira de rodas, na natação e na bocha.

O Distrito Federal participa das Paralimpíadas Escolares desde 2006. Na última edição dos jogos, em 2017, o DF foi a terceira melhor equipe, com 58 medalhas — 21 de ouro, 18 de prata e 19 de bronze — e 379 pontos, apenas dois a menos que Santa Catarina, a segunda colocada. Os campeões foram os paulistas, com 458 pontos.

"Estar ao lado de tantas pessoas que amam o esporte faz com que, a cada dia, alcancemos maiores resultados e destaque na modalidade em que cada um de nós compete e busca se aprimorar"Lucas Souza Barros, estudante-atleta do Centro Educacional 8 do Gama

Entre as medalhas conquistadas, vale destacar a do estudante-atleta do Centro Educacional 8 do Gama, Lucas Souza Barros. O jovem nadador ficou em primeiro lugar nos 100 metros borboleta S13 — classificação dada para atletas com deficiência visual.

“Esse é o resultado de muito foco. Todos os dias recebemos apoio dos nossos treinadores, pais, professores e da direção da escola, assim como dos nossos colegas de treinamento. Estar ao lado de tantas pessoas que amam o esporte faz com que, a cada dia, alcancemos maiores resultados e destaque na modalidade em que cada um de nós compete e busca se aprimorar”, conta o aluno.

Para o chefe da delegação do Distrito Federal e professor da Secretaria de Educação, Carlos Ney, a prática desportiva proporciona para esses jovens uma abertura de percepção.

“Competindo, mas, antes de mais nada, treinando, os nossos estudantes percebem que são capazes de superar limites pessoais, sejam eles físicos ou mentais, e alçar voos mais altos, indo além a cada nova tentativa”, explica.

Carlos Ney complementa: “No total, teremos nas competições 45 atletas homens, 23 mulheres, além de 35 membros da equipe técnica, composta por técnicos, staffs, atletas guias, assistentes, fisioterapeutas e um tapper – pessoa que ajuda a indicar aos nadadores com deficiência visual a proximidade da parede”.

As Paralimpíadas Escolares 2018 são uma realização do Comitê Paralímpico Brasileiro e do Ministério do Esporte.

Brasilienses levam 20 medalhas nos primeiros dias dos Jogos Escolares da Juventude

A delegação brasiliense já tem o que comemorar nos primeiros dias dos Jogos Escolares da Juventude, que tiveram início na segunda (12) e seguem até o dia 25 em Natal (RN). Os estudantes-atletas subiram ao pódio em três das cinco modalidades em que participaram na primeira fase da competição. Foram 20 medalhas: nove de ouro, quatro de prata e sete de bronze.

Os melhores resultados vieram da natação, com oito ouros, três pratas e três bronzes. Na ginástica rítmica, conquistaram uma medalha de prata e três de bronze. Já no xadrez foram um ouro e um bronze.

Merece destaque, ainda, o desempenho do vôlei de praia feminino, que retorna para casa com o quarto lugar na modalidade. O ciclismo também não conquistou medalha.

“Estamos muito felizes com o resultado dos atletas deste primeiro bloco. A natação confirmou sua tendência de vitórias e a ginástica rítmica, que conquistou a primeira medalha nos últimos jogos, este ano já apresentou evolução”, celebra o gerente de Educação Física e Desporto Escolar, da Secretaria de Educação, e um dos chefes da delegação brasiliense, Luís Maurício Montenegro.

A próxima etapa de jogos começa neste sábado (17), com as equipes de atletismo, badminton, futsal e vôlei.

Considerado o maior evento estudantil esportivo do Brasil, os Jogos Escolares da Juventude contam com 224 estudantes de 12 a 17 anos — de 83 escolas públicas e privadas do DF —, 29 técnicos, dois chefes de delegação, quatro oficiais, três jornalistas e dois fisioterapeutas. Os atletas disputam em 14 modalidades individuais e coletivas.