28/1/19 21:06
Atualizado em 29/1/19 às 10:26

Governo do DF quer transformar aeroporto de Brasília em hub de cargas internacional

Proposta do governador Ibaneis foi debatida com o prefeito de Miami-Dade (EUA), na Flórida, em encontro no Palácio do Buriti

Aeroporto de Brasília é um dos maiores terminais de passageiros do país. Foto: Toninho Tavares/Agência Brasília

No caminho de abrir a economia do Distrito Federal para o comércio internacional, o governador Ibaneis Rocha quer fazer do Aeroporto Internacional Juscelino Kubitscheck um dos principais pontos de recepção e distribuição de cargas da América Latina. A proposta é transformar o terminal no que é chamado de hub aeroportuário, recebendo produtos e mercadorias enviados dos Estados Unidos e os distribuindo dentro e fora do país.

Na tarde dessa segunda-feira (28), Ibaneis debateu a proposta com o prefeito do condado de Miami-Dade, em Miami, Carlos Giménez, em um encontro no Palácio do Buriti. O político americano compartilhou a experiência de administração do Aeroporto Internacional de Miami como polo distribuidor de produtos para o resto dos Estados Unidos.

A ideia de Ibaneis é também desburocratizar o trâmite de mercadorias importadas que chegam do terminal americano, como medicamentos, dando agilidade na logística de transporte e distribuição. “É o início de um relacionamento que renderá bastante frutos para a economia do Distrito Federal”, ressaltou o governador.

Atualmente, o Brasil conta com os aeroportos internacionais de Guarulhos (SP) e do Galeão (RJ) como os maiores hub de cargas e passageiros do país, mas que pela distância geográfica de estados do Norte, Nordeste e Centro-Oeste acabam enfrentando dificuldades de logística.

Presente no encontro, o secretário de Relações Internacionais do Distrito Federal, Pedro Rodrigues, disse que a identidade entre a realidade econômica de Miami, na Flórida, e os projetos do governo distrital devem contribuir para fomentar a geração de empregos e atrair investimentos para a capital do país. “Tanto que será examinada a possibilidade de Brasília e Miami-Dade se transformarem em cidades irmãs pelas suas características aeroportuárias”, adiantou.