25/3/19 16:44
Atualizado em 28/3/19 às 18:08

Jovens que aprendem a dar a volta por cima

Centro de Atenção Psicossocial Infantojuvenil resgata autoestima em crianças e adolescentes com histórico depressivo

Grupos de crianças e adolescentes encontram acolhimento e motivação no trabalho desenvolvido pela Caps i / Foto: Breno Esaki/Secretaria de Saúde

Nos últimos anos, desafios expostos na internet e nas redes sociais têm estimulado o aumento do número de crianças e adolescentes que se automutilam e até tentam suicídio. Jogos como Baleia Azul e a Boneca Momo, além da série 13 reasons why, vêm gerando grande influência nesse público. No mesmo período em que surgiram essas perigosas “distrações”, o Centro de Atenção Psicossocial Infantojuvenil (Capsi) de Taguatinga registrou aumento de procura por atendimento.

De acordo com a gerente do Capsi de Taguatinga, Kelly Cristina Vieira Silva, o centro acolhe, hoje, 526 crianças e adolescentes com idade entre 2 e 18 anos. Desses, 79 já tentaram suicídio e 83 fizeram automutilação, incluindo casos de indivíduos que passaram pelas duas situações. Em 2017, o Capsi acolheu 84 crianças e adolescentes com ideia ou tentativa de suicídio e mutilação. Em 2018, foram acolhidos outros 150 e, neste ano, já somam 15 menores com essas características.

526Número de crianças e adolescentes assistidos pelo Capsi de Taguatinga

“Os comportamentos autodestrutivos envolvem vários fatores, como relacionamentos familiares e escolares, bullying e histórico de violência sofrida, entre tantos outros aspectos que podem levar ao suicídio e à automutilação”, explica Kelly. “Os jogos e séries são fatores que podem se somar e influenciar esses pensamentos e comportamentos, resultando nesse aumento de casos. E nós estamos de portas abertas para ajudar”.

Reconhecimento

No trabalho realizado pelo centro, os menores são divididos em grupos de até 15 meninos e meninas em idades similares. “No grupo estão, também, adolescentes com diagnóstico de depressão, que sofreram bullying, têm baixa autoestima e outros transtornos que geram sofrimentos”, relata a gerente do Caps i. “O nosso trabalho, além da orientação, também procura estimular a autonomia, a autoconfiança dessas pessoas para que elas sejam capazes de fazer as próprias escolhas, e [que sejam] escolhas conscientes.”

No último ano, o grupo Ressignificar, do Capsi, ganhou o selo Chega Mais – Selo de Qualidade de Serviços para Adolescentes, certificação concedida por meio de parceria entre o Fundo de População das Nações Unidas, a Secretaria de Políticas para Crianças e Adolescentes e a Escola de Aperfeiçoamento do SUS.

Comemoração

Uma das características do grupo é a forte personalidade dos adolescentes e o protagonismo. Como sujeitos propositivos e questionadores, os menores criaram a sua própria data: o Dia do Adolescente, a ser comemorado na próxima quinta-feira (28). Para esse dia, a programação começa de manhã, com uma oficina de hip hop, e prossegue à tarde, com exibição de filmes, oficina de pipas e sarau.

 “O Dia do Adolescente é comemorado em setembro, mas, como sempre fazemos atividades de prevenção ao suicídio, eles escolheram a melhor data”, informa Kelly. “A ideia surgiu durante uma assembleia da qual os adolescentes participaram. Eles argumentaram que, se existe o Dia da Criança, deveria ter, também, o Dia do Adolescente. Então, sugeriram uma data e as atividades”.

* Com informações da Secretaria de Saúde do GDF