4/7/19 19:05
Atualizado em 4/7/19 às 19:33

Firmeza e carinho na hora educar

Gestão está focada em melhorar desde a alimentação dos estudantes até o desempenho pedagógico. Gestão compartilhada com Segurança Pública mostra resultados

O Governo do Distrito Federal já apresenta os primeiros resultados de uma gestão eficiente na educação pública do DF. Em seis meses, 161 escolas foram reformadas – e outras quatro devem ser entregues à população no próximo semestre. A merenda escolar deixou os sucos artificiais de lado. Nos cardápios, mais carne, frutas e hortaliças, menos biscoitos. 

A gestão compartilhada com ajuda da Secretaria de Segurança agrada comunidade e também mostra resultados pedagógicos importantes para melhoria do desempenho de milhares de estudantes. 

“Nos próximos dias, vamos apresentar os resultados oficiais. Previamente, posso dizer que houve um aumento do processo de aprendizagem dos alunos até mesmo pelo clima de maior tranquilidade e ordem”, avalia o  secretário de Educação, Rafaell Parente.
Quatro escolas experimentam o novo modelo educacional: o Centro Educacional nº3 de Sobradinho; o Centro Educacional nº1 da Estrutural; o Centro Educacional nº7 de Ceilândia e o Centro Educacional nº 308 do Recanto das Emas.

Juntas, atendem mais de 7 mil estudantes. As unidades contam com o auxílio de 20 a 25 policiais militares para auxiliar em atividades extraclasse, voltadas à disciplina e educação cívica. 

Até o final do ano outras  escolas devem aderir ao novo modelo de gestão.A ideia é anunciar pelo menos seis novas unidades ainda no mês de julho.

Escolas bilíngues

O GDF também deu um grande passo para implementação de escolas interculturais bilíngues. Trata-se de uma ação em parceria com embaixadas para oferecer mais uma opção de língua estrangeira, além do inglês, em escolas públicas de ensino médio.

O projeto começou pelo Centro Educacional do Lago Norte (Cedlan), onde o francês fará parte do currículo regular. O Centro de Ensino Médio 03 de Taguatinga deve ser o próximo a receber a iniciativa, com alvo na língua espanhola. Até o final do ano, o governo quer fechar pelo menos 10 parceiras como essas.

Clique no banner para mais detalhes