29/7/19 15:27
Atualizado em 29/7/19 às 15:27

Saúde vai a hotéis orientar funcionários e turistas sobre o sarampo 

Também estão sendo visitados agências de viagens e o Aeroporto JK. Objetivo é melhorar a prevenção contra a doença

A Secretaria de Saúde do Distrito Federal começou, nesta segunda-feira (29), uma ação educativa em hotéis, agências de turismo e no Aeroporto Internacional de Brasília. 

O foco é a orientação, em locais com grande fluxo de turistas, sobre os riscos do sarampo. A doença é contagiosa e tem se espalhado por estados como São Paulo, Rio de Janeiro e Pará.

Apesar de não ter casos de sarampo registrados no DF, este ano, o objetivo é garantir a prevenção contra a doença. Nesse primeiro momento, foram visitados o Aeroporto e hotéis do Setor Hoteleiro Sul. 

A ideia é continuar, ao longo desta semana, nas demais localidades. Nas regiões administrativas, os Núcleos de Vigilância Ambiental serão responsáveis pelas ações.

“Não temos casos positivos de sarampo no DF desde 1999. Temos somente os importados, registrados em 2011, 2013 e 2018”, lembra a enfermeira da Gerência de Vigilância das Doenças Imunopreveníveis e de Transmissão Hídrica e Alimentar da Secretaria de Saúde, Rosa Mossri. “Mas é repassar informações sobre o que está acontecendo no Brasil”, explicou.

A analista Júlia Coêlho, que é do Consórcio Inframérica, operadora do Aeroporto Internacional de Brasília, elogiou a iniciativa da pasta. “Para nós, é muito importante essa vinda. Iniciativas como esta tornam ainda mais eficaz as nossas próprias ações”, comentou.

Em adultos e crianças 

O sarampo é uma doença viral grave, transmitida por via respiratória, por meio de secreções nasais e orais do doente, expelidas ao tossir, espirrar ou falar. O sarampo acomete adultos e crianças. Pode levar à internação e ao óbito, devido a complicações como pneumonia e encefalite, entre outras.

É suspeito de ter sarampo todo indivíduo que apresenta febre e manchas avermelhadas pelo corpo, acompanhadas de um ou mais dos seguintes sinais e sintomas: tosse, coriza, conjuntivite, independentemente da idade e da situação vacinal.

Cartão de vacinação 

As recomendações contra a doença incluem manter o cartão de vacinação atualizado com a vacina tríplice viral.

São considerados adequadamente vacinados todos aqueles com idade entre um e 29 anos, que comprovem ter tomado duas doses da vacina. Na faixa etária de 30 a 49 anos, deve ser comprovada apenas uma dose. 

A vacina tríplice viral está disponível em todas as salas de vacina do DF para a população de um a 49 anos.

Caso seja identificado algum viajante com os sintomas da doença, é necessário reportar o caso ao Centro de Informações Estratégicas em Vigilância em Saúde da Secretaria de Saúde do DF (Cievs).

Os contatos podem feitos pelo e-mail cievsdf@gmail.com ou pelos telefones 9.9221-9439 ou 2017-1145, ramal 8323.

* Com informações da Secretaria de Saúde