22/8/19 21:12
Atualizado em 22/8/19 às 21:15

Governo gaúcho conhece gestão de riscos da Secretaria de Desenvolvimento Econômico do DF

Membros da Secretaria de Planejamento do RS visitaram órgão do GDF e viram, na prática, como se dá a implantação da ferramenta

Uma representação da Secretaria de Planejamento do Rio Grande do Sul (Seplag/RS) visitou nesta quinta-feira (22) a Secretaria de Desenvolvimento Econômico do DF (SDE) para conhecer, na prática, o modelo adotado pelo órgão para reduzir erros e imprecisões no cotidiano de trabalho. A visita complementou o contato que a Seplag/RS teve na Controladoria-Geral do Distrito Federal (CGDF), momentos antes, com a teoria do programa de gestão de riscos na administração pública.

A SDE inaugurou recentemente o programa de gestão de riscos e contou com o apoio da CGDF para elaboração de todo o processo, iniciado em 2018. De acordo com o diretor de Auditoria de Integridade e Riscos da CGDF, Robson Lopes, o modelo da secretaria foi um “case” de sucesso.

“A impressão que tivemos foi bastante positiva e a participação dos grupos de trabalho foi muito satisfatória. Temos outros casos de sucesso, mas a gente enxerga que a SDE será a primeira unidade a terminar programa de integridade”, adiantou.

Representante do Rio Grande do Sul na atividade, a assessora de gabinete da Seplag/RS, Joseane Toebe, disse que a gestão de riscos na administração pública é algo novo e aponta para um horizonte promissor.

“Precisamos enxergar nosso trabalho como uma missão de governo para a comunidade e entregar um resultado econômico melhor para que as futuras gerações possam se desenvolver. Nesse sentido, a gestão de riscos é fundamental”, explicou a servidora gaúcha.

Gestão de Riscos

A gestão de riscos é o processo que envolve as ações destinadas a controlar os riscos de uma organização, neutralizando o seu impacto ou reduzindo sua chance de ocorrência.

Tal metodologia possibilita aos gestores diminuir as incertezas na tomada de decisões, mitigando os riscos e potencializando as oportunidades a elas associadas, a fim de controlar impactos e obter qualidade no gasto público, por exemplo.

A ideia do programa surgiu pela primeira vez na administração pública por meio do Decreto 37.302, de abril de 2016, que estabeleceu os modelos de boas práticas em gestão de riscos e controle interno a serem adotados no Distrito Federal. Mais recentemente, o Decreto 39.736, de março 2019, instituiu a Política de Governança Pública e Compliance e, novamente, reforçou a importância do sistema de gestão de riscos nos órgãos públicos.

 

* Com informações da Secretaria de Desenvolvimento Econômico