23/8/19 9:48
Atualizado em 23/8/19 às 9:48

Bacia do Pipiripau vai ganhar mais 96 mil mudas de árvores nativas

Projeto é uma parceria entre Emater, Secretaria de Agricultura e Ana. Área de 48 hectares engloba 38 propriedades de agricultores

A Emater-DF e a Agência Nacional de Águas (ANA) contrataram mais duas pessoas para produzir 96 mil mudas de espécies nativas para a Bacia do Ribeirão Pipiripau. O projeto Produtor de Água do Pipiripau, em parceria com a Secretaria de Agricultura, tem como meta a restauração florestal do lugar, área de preservação permanente e reserva legal. 

As mudas vão começar a ser produzidas na Granja do Ipê. E serão plantadas em uma área de 48 hectares, que engloba 38 propriedades de agricultores. A proposta visa a melhoria qualitativa e quantitativa da água. A restauração florestal na Bacia do Pipiripau já teve aproximadamente 400 mil mudas plantadas em um total de 140 propriedades.

Foto: Gabriel Jabur/Agência Brasília

Na sequência ao plantio, o projeto fornece de graça aos produtores a manutenção das plantas pelo período dois anos, com capinas e formação de aceiros (faixas de proteção contra o fogo, feitas ao redor e às vezes dentro das áreas de plantio evitando-se queimadas e incêndios).

Como parte da restauração florestal por meio do plantio, também é realizado o cercamento das áreas para evitar acesso de grandes animais e permitindo a regeneração natural e semeadura direta de plantas nativas, com incremento à biodiversidade. 

A semeadura consiste no cultivo de plantas por meio do uso de sementes sem a necessidade de produzir mudas. As sementes são dispersas diretamente sobre o solo.

Para o coordenador do Programa de Manejo e Conservação do Solo da Emater-DF, Sumar Magalhães Ganem, o Produtor de Água do Ribeirão Pipiripau é um dos mais avançados modelos de preservação e recuperação ambiental para a área rural do DF. 

“É um grande exemplo de desenvolvimento rural sustentável, que conta com a participação e aquiescência efetiva da sociedade rural e urbana. Trata-se de uma iniciativa de grande sucesso e com grande repercussão”, disse.

Como pontos positivos, Sumar ressalta a atuação na segurança hídrica e ambiental da bacia, a remuneração dos agricultores participantes. O projeto ainda provê medidas de restauração ambiental, reduz processos erosivos e aumenta a infiltração da água no solo.

O programa

Criado para proporcionar revitalização ambiental das bacias hidrográficas do Brasil, o programa Produtor de Água, de responsabilidade da Agência Nacional de Águas (ANA), tem como foco o estímulo ao Pagamento por Serviços Ambientais (PSA). O programa existe desde 2001 e é realizado em todo o país.

Na capital, a ação está concentrada atualmente na Bacia do Pipiripau. O programa tem focado na manutenção de diversas atividades de interesse da sociedade, como a produção de frutas, grãos, carnes, lazer, proteção ambiental e captação de água para abastecimento humano.

Desde a crise hídrica do DF, que teve início em janeiro de 2017, esse tipo de ação tem ganhado grande apelo da sociedade e de produtores locais.

Com área total de 23.527 hectares, a bacia do Ribeirão Pipiripau localiza-se no nordeste do Distrito Federal, na divisa com o município de Formosa (GO). A maior parte da área da bacia localiza-se no Distrito Federal (90,3%), sendo que a região que abriga a nascente principal localiza-se em Goiás.

 

Parceiros
Financiado pelo governo federal, o projeto possui atualmente 16 parceiros, incluindo a Emater-DF. Além da coordenação da Agência Reguladora de Águas, Energia e Saneamento Básico do Distrito Federal (Adasa), participam do projeto Produtor de Águas as secretarias de Agricultura e de Meio Ambiente; a Caesb; o DER-DF; o Instituto Brasília Ambiental (Ibram); a Superintendência do Desenvolvimento do Centro-Oeste; o Banco do Brasil; a Fundação Banco do Brasil; a Rede de Sementes do Cerrado; as ONGs TNC, WWF e Pé de Planta; a Embrapa; e a Universidade de Brasília (UnB).

* Com informações da Emater-DF