14/10/19 15:06
Atualizado em 21/10/19 às 12:32

Após a crise, o futuro: como tornar de excelência a gestão da água?

Governo planeja unificar sistemas de abastecimento e investir em tecnologia para melhorar o uso dos recursos hídricos. Por isso, quer aumentar 100% o monitoramento do consumo urbano e rural

O aumento populacional, o desmatamento e as mudanças climáticas são desafios que afetam a boa gestão dos recursos hídricos. Enfrentá-los e, ao mesmo tempo, dar uma melhor destinação ao consumo da água, é uma das missões mais difíceis de qualquer gestão governamental. No caso do Distrito Federal, o desafio é mais intenso: a capital sofreu, entre 2016 e 2018, a maior crise hídrica de sua história. 

Para minimizar os problemas, elaborar e executar soluções definitivas para as consequências destes e de problemas que ainda vão surgir, é preciso muito estudo – e suor.  O Executivo local, por exemplo, estabeleceu algumas medidas e as inseriu no Plano Estratégico do DF (PEDF), documento com previsões de ações a curto, médio e longo prazo.

Foto: Agência Brasília/Arquivo


O abastecimento de qualidade e uso correto da água é uma das batalhas previstas no Plano Estratégico. Afinal, o DF quer ser referência no país na gestão da água. Nesse sentido, prevê três resultados-chaves:

  • triplicar a proteção de nascentes em bacias hidrográficas prioritárias;
  • aumentar em 100% o monitoramento do consumo de água nos setores urbano e rural;
  • aumentar em 100% o número de instrumentos de gestão de recursos hídricos implementados nas bacias hidrográficas

Entenda a seguir como cada um desses pontos se desdobra. Veja também o que a atual gestão realizou ao longo de 2019 nesta questão específica e o que está na esteira da previsão de realizações para os próximos anos.

Ações em curso
A continuação das obras de interligação dos sistemas Torto-Santa Maria e Sobradinho-Planaltina, a cargo da Caesb, é uma das principais medidas. Ela propicia, por exemplo, maior possibilidade de manobras operacionais, diminuindo a vulnerabilidade de um sistema individualmente. As novas captações de água no ribeirão Bananal (750 L/s) e no Lago Paranoá (700 L/s), juntamente com a interligação entre os sistemas Torto/Santa Maria ao sistema Descoberto reforçam a preocupação do GDF com o tema. 

Barragem do Torto | Foto: Agência Brasília/Arquivo

 Além disso, os sistemas Sobradinho/Planaltina e São Sebastião passam por obras de interligação e melhorias das unidades operacionais para dar continuidade à prestação do serviço de abastecimento. Após a finalização das integrações, será possível a transferência de água entre os sistemas, facilitando e dando maior segurança para o abastecimento da população.

 O GDF também trabalha na finalização do sistema Corumbá IV, em parceria com a  Companhia Saneamento de Goiás (Saneago). Com capacidade de 2,8 m³/s na primeira etapa de operação, o sistema irá abastecer inicialmente as regiões do Gama, Santa Maria e Riacho Fundo II, podendo alcançar, no futuro, todas as RAs atendidas pelo sistema Descoberto.

 Há outras intervenções em andamento importantes, como a reativação de pequenas captações – a da Ponte de Terra II, Crispim e Alagado, e a implantação de uma nova Estação de Tratamento de Água Gama.  

 Também foram intensificadas as ações de acompanhamento pela Agência Reguladora de Águas, Energia e Saneamento Básico do Distrito Federal (Adasa) do programa de combate à perda d’água da Caesb, com fiscalização das ações de setorização de redes em regiões como São Sebastião, Taguatinga e Ceilândia. 

A setorização por meio da instalação de distritos de medição e controle propiciam maior gerenciamento das perdas de água na rede de abastecimento, possibilitando localizar mais facilmente qualquer rompimento ou vazamento nas tubulações.

Inteligência artificial
A tecnologia é outra aliada da Adasa e Caesb. Na Adasa, o apoio da inteligência artificial permite o monitoramento de cenários e a antecipação a possíveis crises hídricas no DF. Sensores instalados em diferentes pontos medem os níveis de água em rios e reservatórios, bem como os índices de chuvas, com medições programadas para cada 15 minutos.

Essas informações se transformam em ouro para a Adasa a partir da ferramenta de análise de dados da Microsoft utilizada pela Agência. O Power BI possibilita análises programadas, tais como a comparação das medidas coletadas em tempo real, com base em dados de uma série histórica de mais de 30 anos de registros. 

Os dados são compartilhados com o público em geral por meio do Sistema de Informações sobre Recursos Hídricos (Sirh) do Distrito Federal, acessível no site da Adasa.

Canais subterrâneos
Na área rural, o GDF tem investido na construção de canais subterrâneos de irrigação. Além de evitar a perda de cerca de 50% do volume de água, que corria nos antigos canais a céu aberto, a nova tubulação possibilita a distribuição de forma igualitária a todos os produtores.

 

Azeredo, produtor rural: tubulação reduz perdas | Foto: Acácio Pinheiro/Agência Brasília

Em Tabatinga, o produtor rural criador de aves José Eduardo Azeredo aprova o uso da tubulação. “Ela nos gerou economia, reduzindo perdas. A outra questão é o uso racional da água, tentar controlar e melhorar o acesso. Nossa captação, se tivesse, por exemplo, uma outorga de uso de 300 milímetro de água agora nós retiramos 150 milímetros. Passamos por uma crise e uma vez que isso acontece você automaticamente passa a economizar mais”, aponta.

Ele conta que a economia também foi adotada em casa e espera uma boa produção em 2020. “Fico melindroso com tudo, seja no uso da torneira ou chuveiro, reduzimos drasticamente. Minha conta de água está sempre dentro da cota mínima e ganho bonificação da Caesb pelo baixo consumo”. Sobre a produção ele assegura: “Com esse serviço da tubulação vamos poder investir com menor risco. Em 2020 vamos ter uma diferença na produção”, acrescenta. Eduardo cria aves e pensa, a partir do próximo ano, investir no sistema de hidroponia.

Plantio de mudas
Nem só de tecnologias modernas é feito o trabalho de preservação e melhor uso dos recursos hídricos. Na Bacia do Ribeirão Pipiripau, localizada ao nordeste do DF, o plantio de mudas colaboram para a preservação da área, bem como a  segurança hídrica e ambiental da bacia.

Foto: Agência Brasília/Arquivo

A Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Distrito Federal (Emater-DF) e a Agência Nacional de Águas (ANA), em parceria com a Secretaria de Agricultura, tocam o projeto Produtor de Água do Pipiripau com a produção de aproximadamente 96 mil mudas de espécies nativas. A meta é a restauração florestal do lugar, área de preservação permanente e reserva legal.