19/11/19 20:07
Atualizado em 19/11/19 às 20:07

Jovens brasilienses e membros da embaixada jamaicana têm dia de interação

Programa Embaixadas de Portas Abertas é coordenado pela Secretaria de Relações Internacionais e visa integrar estudantes brasileiros ao universo de outros países

Foto: Brenda Hada / Secretaria de Relações Internacionais

Nesta manhã (19), o Centro de Ensino Fundamental 104 Norte e a Embaixada da Jamaica uniram-se para demonstrar que diferentes culturas podem conviver em harmonia. O encontro aconteceu nas dependências da escola como parte do intercâmbio proposto pelo Programa Embaixadas de Portas Abertas (Pepa), coordenado pela Secretaria de Relações Internacionais (SRI) com apoio da Secretaria de Educação (SEEDF) e da Sociedade de Transportes Coletivos de Brasília (TCB).

A embaixadora da Jamaica, Sharon Miller, agradeceu pela programação recheada de apresentações voltadas à valorização da cultura brasileira. “Sinto que somos parte da mesma família. Apesar de sermos diversos, somos um único povo.”

A recepção transcorreu de forma acolhedora, com estudantes vestindo roupas da dança típica do norte do país, o carimbó. No pátio, cerca de cem alunos, que compõem os quatro anos do ensino fundamental II, já aguardavam ansiosamente pela chegada da representação.

Por diversos momentos foi relembrado o primeiro encontro entre as duas instituições, em 24 de outubro, quando a embaixada abriu suas portas para receber os estudantes. “Foi muito agradável recebê-los, especialmente porque foi a própria escola que escolheu nosso país como tema de estudo”, acrescentou Sharon.

A professora participante das atividades, Lys Morais, destacou a importância do intercâmbio para a formação das crianças como cidadãos que respeitam a dignidade da vida humana. “A iniciativa traz oportunidade e possibilidades de uma vivência para além da realidade em que se encontram. Os esforços desse intercâmbio culminam na derrubada de fronteiras, na troca de culturas, desde o idioma até a vestimenta”, enfatizou

Como agradecimento de toda a comunidade escolar do DF, a aluna Luiza Matos entregou uma pintura em tela à embaixadora. Chamou a atenção o fato de o desenho ter sido criado pela própria estudante, que buscou representar as bandeiras do Brasil e da Jamaica como um único elemento integrado a uma flor. As cores verde e amarelo, que remetem aos dois países, também estavam representadas na figura de um beija-flor.

| Foto: Brenda Hada / Secretaria de Relações Internacionais

A importância do programa fica aparente na medida em que trabalha a serviço da educação pública e para os jovens brasilienses, ao mesmo tempo em que envolve a segunda maior comunidade de representações diplomáticas do mundo – o que estabelece Brasília, nesse quesito, apenas atrás de Washington, capital dos Estados Unidos.

“A SRI trabalha em duas frentes: no trabalho integrado com outras secretarias e o governo local e no relacionamento com as representações diplomáticas e organizações internacionais estabelecidas no DF”, explica o chefe de gabinete da SRI, Emiliano Abreu. “O Pepa é a alma do nosso trabalho e uma das iniciativas a que mais dedicamos esforço e atenção. Sabemos da importância que ele tem para os jovens de Brasília e para a aproximação com a comunidade internacional”, conclui.

Na disposição de manter o programa operante também pela SEEDF, a coordenadora central da Diretoria do Ensino Fundamental, Mirian do Carmo Silva, ressaltou as atividades do dia como o fechamento de mais um ciclo e, por isso, um motivo de muita gratidão.

Como parte da experiência, os participantes também foram contemplados com apresentações de capoeira e ginástica rítmica. Também degustaram pratos típicos brasileiros, como a feijoada e o arroz com pequi.

Também estiveram presentes à visita a ministra-conselheira da Embaixada da Jamaica, Laura McNeil, e a coordenadora da Regional de Ensino, Semírames Fernandes.

 

* Com informações da Secretaria de Relações Internacionais