21/12/19 16:45
Atualizado em 21/12/19 às 17:17

Fartura e pratos especiais no Natal de Brazlândia

Alegria e fila constante, mas com espera tranquila, marcou almoço de Natal a só R$ 1

95 anos e muita disposição: candango Vicente Varela entrou na fila antes das 11h |  Foto: Renato Araujo / Agência Brasília

Nada de gritos da cozinha nem pressão durante a entrega de pratos em tempo recorde. No Restaurante Comunitário de Brazlândia foi a chamada “cozinha colaborativa” que deu o tom do preparo do Nosso Natal, ação promovida pelo Governo do Distrito Federal (GDF) com ceia natalina a R$ 1.

“Por aqui não tem estresse, mas muito espírito de parceria e colaboração de equipe. Os funcionários se ajudam o tempo todo”, elogiou Ivo Sousa, chef do restaurante Brasiliense A Mano – com passagem por Fasano (SP) e Gero – e responsável pelo preparado de mais de 350 quilos de pernil ao molho roti servidos aos moradores da cidade.

O secretário da Agricultura, Abastecimento e Desenvolvimento Rural, Dilson Resende, esteve por lá e acompanhou a finalização dos preparos. “Adoro cozinhar e tenho até um fogão industrial em casa.”

Foram servidas 3.164 refeições363 kg de pernil, 290 de arroz, 95 de feijão, 115 de salada, 158 de farofa, 70 litros de suco

Uma hora antes de abrir o restaurante, o argentino Ruben Dario, de 65 anos, já estava por lá. Desempregado, com dois filhos e cuidando da mulher doente, ele saiu de casa cedo movido pela solidariedade: levar marmitas a três vizinhos que mal têm o que comer. “É maravilhoso poder comer bem por tão pouco. É uma ajuda precisa do governo”, elogiou.

Quem também não fez corpo mole, mesmo do alto dos seus 95 anos, foi o armador de ferragens e motorista aposentado Vicente Varela. Antes das 11h ele já estava na fila para garantir o almoço dele e do filho. Viúvo e independente, seu Vicente não sabe cozinhar e mora sozinho na cidade onde chegou, em 1957, para trabalhar na construção do Palácio do Alvorada.

Galeria de Fotos

Nosso Natal leva ceia a restaurante comunitário de Brazlandia