8/1/20 15:42
Atualizado em 8/1/20 às 15:42

Região Leste traça metas contra dengue

Profissionais das unidades de saúde estão sendo treinados para identificar e tratar casos da doença

A Região de Saúde Leste promoveu, nesta quarta-feira (8), a primeira reunião do Grupo Executivo Intersetorial de Gestão do Plano de Prevenção e Controle da Dengue e outras Doenças Transmitidas pelo Aedes (Geiplandengue). O objetivo foi apresentar os resultados de 2019 e planejar e discutir as ações para este ano.

“Essa reunião intersetorial regional é de fundamental importância no combate à dengue, pois todos participam ativamente no planejamento necessário e execução para que possamos combater o mosquito Aedes aegypti”, destaca a superintendente da Região Leste, Raquel Bevilaqua.

“As unidades básicas de saúde e o Hospital da Região Leste se preparam para permitir que o usuário com suspeita de dengue seja atendido, orientado e hidratado em momento oportuno e precocemente. Isso reduz a gravidade dos casos”, ressalta ele.

A reunião buscou alinhar o grupo de trabalho e estabelecer medidas de controle e combate ao mosquito transmissor da doença, de forma antecipada.

Várias ações já estão sendo elaboradas para a prevenção. Entre elas, a reabertura da sala de hidratação oral do Hospital da Região Leste para acolhimento de casos suspeitos, roda de conversa com a equipe assistencial sobre o manejo clínico da doença, monitoramento diário dos casos identificados como suspeita e coleta de exames complementares para diagnóstico laboratorial.

Capacitação
No início desta semana, a região já iniciou as atividades do plano de enfrentamento da dengue, com o intuito de preparar a equipe para acolher, consultar, notificar e investigar os casos suspeitos de dengue com base no Protocolo de Diagnóstico e Manejo Clínico da Dengue do Ministério da Saúde.

“Nesse período, precisamos preparar a equipe para acolher os pacientes que procuram o hospital e oferecer o suporte adequado para cada caso. Essa preparação é primordial para o enfrentamento do período de sazonalidade da dengue”, diz a chefe do Núcleo Hospitalar de Epidemiologia, Ana Paula Sasaki.

* Com informações da Secretaria de Saúde-DF