18/2/20 20:40
Atualizado em 19/2/20 às 15:16

Com a proximidade da seca, está na hora de ficar atento à bronquiolite

Por meio da Secretaria de Saúde, GDF lança campanha de combate à doença respiratória que dá em crianças menores de dois anos. Ação tem o apoio da primeira-dama Mayara Noronha Rocha
 

A primeira-dama Mayara Noronha Rocha afirmou que a campanha surgiu pela proximidade do período mais grave da sazonalidade, em que o contágio de doenças respiratórias torna-se frequente | Foto: Acácio Pinheiro/Agência Brasília

O período de estiagem das chuvas e proximidade de seca no Distrito Federal começa em março. Mas o Governo do Distrito Federal (GDF) já reforça os cuidados para prevenir e combater as doenças respiratórias. A principal delas, que afeta bebês de até 2 anos de idade (principalmente os menores de 6 meses), é a inflamação dos brônquios. Atenta a isso, a Secretaria de Saúde, com o apoio da primeira-dama Mayara Noronha Rocha, lançou nesta terça-feira (18), no Centro de Ensino da Primeira Infância (Cepi) Corujinha do Cerrado, em Santa Maria, a Campanha de Prevenção à Bronquiolite (veja como foi no vídeo abaixo).

A doença é transmitida por secreções respiratórias de pessoas infectadas ou objetos contaminados por microorganismos. Eles atingem a boca, o nariz e os olhos da criança por meio de tosses e espirros, por exemplo. Nessa época do ano, que se estende até julho, aumenta a circulação de vírus e a incidência de crianças doentes.

Assista ao vídeo:

A dona de casa Michele Fonseca Silva, 34 anos, sabe bem o aperto que passou quando a filha Eloá, hoje com 9 meses, contraiu bronquiolite do primo. A menina começou a apresentar um cansaço frequente e foi levada ao médico. O contato com outras crianças foi vetado, a limpeza da poeira em casa reforçada e a atenção a cada mal-estar da bebê, redobrada. “Qualquer indisposição mais frequente dela eu já corro para o médico.”

Experiência

Mãe do pequeno Matheus, de 1 ano, a primeira-dama Mayara Noronha Rocha contou que o filho ficou frequentemente doente dos 3 aos 9 meses de idade. De acordo com ela, a campanha surgiu pela proximidade do período mais grave da sazonalidade, em que o contágio de doenças respiratórias torna-se frequente.

“Daí a importância de começarmos o debate em um espaço como este”, disse, dirigindo-se às dezenas de mães que estavam na creche. “A bronquiolite mata, é coisa séria. E as nossas crianças têm a saúde mais frágil e merecem toda nossa atenção”, afirmou.

Pneumonia atípica

Dos quatro filhos de Gabriela Valadão, os dois primeiros tiveram bronquiolite ao mesmo tempo. No mais velho, a doença se agravou e gerou uma pneumonia atípica, o que deixou a influenciadora digital em pânico por quase dez dias. Depois de adotar práticas preventivas, os dois filhos seguintes não tiveram os mesmos problemas. “Fiquei mais atenta à higienização deles, como não deixá-los muito tempo de uniforme depois que chegavam da escola. Repliquei em casa os cuidados tomados pelas professoras”, disse.

Referência Técnica Distrital de Pediatria da Secretária de Saúde, Ivana Novaes lembra que no período de sazonalidade da doença, as medidas mais importantes para preveni-la são as mais simples. “Lavar as mãos, usar álcool em gel, evitar contato com pessoas doentes, com ambientes fechados e aglomerações, e evitar visitar recém-nascidos. Principalmente quando o visitante estiver gripado, porque os bebês têm um sistema imunológico frágil”, explica Ivana.

Outra dica da especialista é as mães amamentarem os bebês, já que o aleitamento materno fortalece o sistema imunológico da criança. Preferencialmente, não só as mães e bebês devem estar com as mãos lavadas, mas a população em geral, para evitar a transmissão de vírus respiratórios. “Outra orientação é manter sempre atualizado o cartão de vacina da criança”, lembra.

Sintomas

As doenças relacionadas ao aparelho respiratório, apresentam sintomas como coriza, espirros, obstrução nasal, tosse, cansaço, chiado no peito, febre, dor de cabeça e, dependendo da gravidade, mal-estar geral, dor no corpo e dificuldade respiratória. A bronquiolite leva à hiperprodução de secreção e estreitamento nas vias respiratórias por conta da agressão dos vírus. Em geral, a doença dura de sete a 10 dias.

Com o aparecimento dos sintomas, o primeiro local a se procurar é a unidade básica de saúde (UBS) mais próxima de casa. Como forma de preparar as equipes que atendem a população, a Secretaria de Saúde tem promovido uma série de iniciativas para capacitar os profissionais da área. No Hospital Materno Infantil de Brasília (Hmib), por exemplo, um ciclo de palestras voltados aos servidores tem como tema discutir a bronquiolite e demais doenças respiratórias.

*Com informações da Secretaria de Saúde do Distrito Federal

Galeria de Fotos

Com a proximidade da seca, está na hora de ficar atento à bronquiolite