28/2/20 12:09
Atualizado em 28/2/20 às 12:14

DF se destaca em ação conjunta contra o coronavírus

Centro de Operações de Emergência em Saúde Pública está oficializado, conforme portaria publicada no Diário Oficial do Distrito Federal

O secretário de Saúde, Osnei Okumoto (com o microfone), durante a coletiva em que foi anunciada a criação do centro de operações: “O COE é uma forma de responder a contento à situação, e de maneira organizada” | Foto: Breno Esaki / SES

A Portaria nº 167, publicada na edição desta sexta-feira (28) do Diário Oficial do Distrito Federal (DODF), oficializa a criação do Centro de Operações de Emergência (COE) em Saúde Pública para enfrentamento ao coronavírus (Covid-19). O COE é formado por 19 gestores e suplentes da Secretaria de Saúde (SES), que alinharão as ações de combate à doença.

“De uma maneira geral, o COE é uma forma de responder a contento à situação, e de maneira organizada”, resume o secretário de Saúde, Osnei Okumoto.

Entre as atribuições do centro, destacam-se a análise dos padrões de ocorrência, distribuição e confirmação dos casos suspeitos de coronavírus no DF; elaboração dos fluxos e protocolos de vigilância, assistência e laboratório; capacitação de servidores da SES e das unidades privadas de saúde de forma a ampliar o potencial de resposta contra a doença e, ainda, subsídio aos gestores com informações técnicas sobre o assunto, para a melhor tomada de decisões.

Avaliação criteriosa

“O que será feito no COE é a avaliação de todas as medidas que estão sendo tomadas para prevenir o coronavírus”, resume o secretário-adjunto de Assistência à Saúde, Ricardo Tavares.  “Em um primeiro momento, estamos avaliando caso a caso dos pacientes suspeitos, do ponto de vista epidemiológico. São reuniões fechadas porque estamos lidando com informações confidenciais dos pacientes, o que exige sigilo profissional”.

O centro de operações também poderá liberar boletins epidemiológicos semanais ou mesmo diários sobre a situação, caso seja necessário. “Até o momento, não tivemos alteração na situação”, informa Tavares. “Estamos com cinco casos sendo investigados no DF, e continuamos aguardando o resultado dos exames laboratoriais”.

Trabalho em parceria

As ações do COE envolvem parceria com o Ministério da Saúde, Corpo de Bombeiros (CBMDF), Secretaria de Educação (SEE), Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), Defesa Civil e Conselho de Saúde do Distrito Federal (CSDF), além da rede hospitalar privada.

A previsão inicial é que o COE atue por seis meses, com possibilidade de prorrogação por períodos consecutivos, após a análise da situação epidemiológica do coronavírus no âmbito da rede pública de saúde do DF.

* Com informações da SES