8/3/20 12:30
Atualizado em 8/3/20 às 12:43

Ação de combate à dengue vistoria mais de 2 mil imóveis

Trabalho dos agentes de Vigilância e do Corpo de Bombeiros foi realizado em cinco regiões administrativas neste sábado (7)

Dia D de Combate à Dengue: trabalho aos sábados é uma ação da Sala Distrital de Combate ao Aedes aegypti, iniciativa do GDF que envolve diversas secretarias e órgãos governamentais | Foto: Agência Brasília

Em mais um sábado de muito trabalho, 100 agentes da Vigilância Ambiental e 250 do Corpo de Bombeiros visitaram 2.024 imóveis em Ceilândia, Recanto das Emas, Sobradinho I, Taguatinga e Guara II. Foram tratados 5.398 depósitos de água que poderiam conter focos do Aedes aegypti, mosquito transmissor de doenças como dengue, zyka e chikungunya.

As inspeções para combater focos do mosquito têm sido realizadas em residências e estabelecimentos comerciais todos sábados, desde o mês de janeiro. Além disso, os agentes de vigilância mantêm o trabalho diário das inspeções durante a semana.

O trabalho aos sábados, chamados de Dia D de Combate à Dengue, é uma ação da Sala Distrital de Combate ao Aedes aegypti, uma iniciativa do Governo do Distrito Federal que envolve diversas secretarias e órgãos governamentais.

As ações já utilizaram helicópteros e drones para verificação de terrenos com edificações fechadas ou abandonadas. Além disso, cemitérios são vistoriados, carros abandonados pelas ruas são rebocados e paradas de ônibus antigas que acumulam água passam por limpeza.

Combate ao Aedes

O engajamento da população é fundamental no combate ao Aedes aegypti. A principal forma de se prevenir contra as doenças transmitidas pelo mosquito é manter o monitoramento constante nas residências, sempre buscando evitar água parada e outras formas de favorecimento à proliferação do inseto.

Confira algumas dicas:

– Mantenha caixas d’água, tonéis e barris de água tampados;

– Mantenha garrafas de vidro ou plástico sempre com a boca para baixo;

– Encha os pratinhos ou vasos de planta com areia até a borda;

– Limpe as calhas com frequência, evitando que galhos e folhas impeçam a passagem da água;

– Em caso de identificação de focos do mosquito, acione a Vigilância Ambiental pelo telefone 160.

 

* Com informações da Secretaria de Saúde