1/4/20 17:35
Atualizado em 1/4/20 às 17:35

Vigilância Sanitária orienta instituições para idosos

Secretaria de Saúde sugere proibir visitas de familiares (salvo casos extremos) e restringir ao máximo atividades realizadas por voluntários

Com a pandemia do coronavírus, causador da Covid-19, a população deve redobrar os cuidados com o principal grupo de risco afetado pela doença: os idosos. Por isso, a Subsecretaria de Vigilância à Saúde (SVS) criou um documento com algumas orientações para idosos que vivem em instituições.

Foto: Mariana Raphael/Saúde-DF

Entre as orientações, estão proibir as visitas de familiares (salvo casos extremos); restringir ao máximo as saídas dos idosos lúcidos e independentes da instituição; proibir as visitas e atividades realizadas por voluntários e estagiários; reduzir a grade de atividades coletivas para estimulação, contudo manter aquelas individuais e imprescindíveis; estimular os idosos lúcidos e independentes à comunicação por redes sociais e videoconferências com os familiares.

Além disso, reduzir o cronograma de consultas médicas eletivas (sob orientação do médico assistente); oficiar o serviço de saúde regional sobre a necessidade de priorização no calendário de imunização desses idosos para influenza; atualizar a imunização para influenza e doença pneumocócica, conforme indicação, para residentes e funcionários; e providenciar a reposição dos medicamentos de uso dos idosos, conforme as prescrições médicas (solicitando por meio do serviço delivery).

Além dessas orientações, a nota técnica trata também sobre o uso de máscaras e as medidas de controle que devem ser adotadas nas instituições, como manter os ambientes ventilados naturalmente e reforçar os cuidados com a higiene.

Segundo a gerente de fiscalização da Vigilância Sanitária, Márcia Olivé, hoje são 28 instituições de longa permanência para idosos no Distrito Federal. Para evitar o risco de contágio, a Vigilância solicitou que o responsável técnico de cada instituição comparecesse a um dos núcleos, onde foi entregue a nota técnica com todas as orientações a serem seguidas.

“Somente em último caso, iremos até a instituição entregar essa nota técnica, que orienta, além dos cuidados aos idosos, os cuidados que os profissionais que trabalham no local devem ter, já que eles saem e têm contato com outras pessoas. Por isso, também devem tomar muito cuidado, pois eles trabalham com grupos de idosos, que são vulneráveis ao coronavírus”, explica Márcia.

Vistorias
Segundo a gerente de fiscalização, vistorias só serão feitas nos lares de idosos em casos excepcionais (denúncias). Tudo isso para evitar o máximo possível que pessoas de fora adentrem os locais e possam infectar os idosos com o coronavírus.

Na última semana, a Vigilância Sanitária recebeu denúncia contra uma das instituições. No entanto, ao checar o local, descobriu que não havia nada de errado. A denúncia acusava superlotação, falta de álcool gel e pacientes, que deveriam estar isolados, estariam misturados com os outros. Não houve confirmação.

“Quando cheguei lá, no horário de almoço, vi que eles estão fazendo o rodízio dos pacientes para evitar tumultos, além de todos os protocolos de higiene estarem corretos. Também apresentaram os relatórios médicos de todos os idosos, o que mostrou que nenhum precisaria ficar em isolamento”, explica a auditora da Vigilância Sanitária Maria das Graças Britto.

De acordo com ela, no teor da denúncia, também havia o questionamento acerca da admissão de um novo idoso na instituição. Mas, ela assegurou que a admissão de novos pacientes não é proibida e a orientação é que se possível, deixe-os num local mais reservado nos primeiros dias.

* Com informações da Secretaria de Saúde