4/5/20 13:42
Atualizado em 5/5/20 às 16:32

MPDFT acompanha programa Hotelaria Solidária

Ação promovida pela Secretaria de Desenvolvimento Social visa proteger idosos durante o período de pandemia

Um espaço digno que propicie o isolamento e o devido cuidado ao idoso. Assim pode ser definido o serviço prestado pela Hotelaria Solidária. O programa do Governo do Distrito Federal (GDF), desenvolvido pela Secretaria de Justiça e Cidadania no Brasília Palace Hotel, acolhe 270 idosos em situação de vulnerabilidade durante o período de pandemia.

Na manhã desta segunda-feira (4), representantes do Ministério Público do Distrito Federal e Território (MPDFT) e a Secretaria de Desenvolvimento Social estiveram no local para acompanhar a execução do trabalho.

O objetivo da iniciativa é oferecer o isolamento adequado para esse público com vistas à prevenção ao novo coronavírus. Além disso, propiciar ações de acolhimento e atenção à saúde. “Estamos aqui para somar esforços na atenção a essas pessoas que compõem o grupo de risco para a Covid-19”, destaca a secretária de Desenvolvimento Social, Mayara Noronha Rocha.

Um comitiva formada por integrantes do gabinete da Sedes e do ministério percorreram as dependências do hotel supervisionados pela secretária de Justiça e Cidadania, Marcela Passamani. “A ideia foi mostrar que adotamos aqui uma séria de medidas de prevenção, além de regras de conduta de convivência, tudo com o objetivo de proporcionar o devido cuidado ao idoso hospedado aqui”, enfatiza.

Passamani elencou algumas ações importantes como o uso constante de máscara por todos, a restrição de entrada de pessoas externas e a delimitação do espaço, por exemplo, de acesso ao lago com vistas a evitar acidentes, entre outras.

Durante esta manhã, uma equipe da Secretaria de Saúde esteve no local para iniciar o procedimento de testagem de todos os hóspedes. Sempre respeitando os devidos cuidados como evitar aglomeração e manter uma distância prudente, por exemplo, todos passarão pelo exame, que deve ocorrer ao longo do dia.

A partir de agora, os órgão do GDF se debruçam sobre o tema para estudar a possibilidade de ampliação do programa, no intuito de atender mais pessoas do grupo de risco.

* Com informações da Sedes