12/5/20 13:57
Atualizado em 12/5/20 às 15:07

Gestores escolares devem se cadastrar no sistema do Saeb

Processo é condição para que os colégios acessem os resultados preliminares e peçam correções, se necessário

Atenção gestores escolares: o acesso ao sistema Sistema de Avaliação da Educação Básica (Saeb) foi liberado nesta terça-feira (12/5) e é preciso fazer o cadastro para verificar os resultados preliminares, que serão divulgados exclusivamente aos gestores, em 31 de maio.

De 31 de maio a 15 de junho será o período de verificação dos resultados. Também será neste prazo a interposição de recursos, caso a escola encontre alguma inconsistência.

Posteriormente a este período, a escola não poderá reclamar ou afirmar que cumpriu o pré-requisito de ter 80% de presença de estudantes nas provas, necessário para que haja resultado a divulgar.

A Diretoria da Avaliação (DIAV) da Secretaria de Educação irá disponibilizar uma planilha às unidades regionais de planejamento educacional e tecnologia na Educação (Uniplat), para o acompanhamento desses cadastros. Neles, o articulador de avaliação de cada regional de ensino (CRE) deverá sinalizar diariamente quais escolas já realizaram o cadastro.

Nesta fase, o Instituto Nacional de Pesquisas e Estudos Educacionais Anísio Teixeira (Inep) não disponibiliza os resultados preliminares e nem acesso ao sistema de cadastro para as secretarias de educação. Por isto, o acompanhamento das CREs é imprescindível.

Saeb no DF
Estima-se que mais de 83 mil estudantes da rede pública de ensino do Distrito Federal fizeram as provas do Saeb entre os dias 4 e 8 de novembro de 2019. Os testes de Língua Portuguesa e de Matemática foram para todos os estudantes do 5º e do 9º ano do Ensino Fundamental e do 3º ano do Ensino Médio. A Educação Infantil pública e conveniada e a rede privada também foram avaliadas, mas por amostragem.

Desde a última edição, o Saeb passou a ser único, abrangendo todo o percurso escolar dos estudantes da Educação Básica. Deixaram de existir as siglas ANA (Avaliação Nacional de Alfabetização), Aneb (Avaliação Nacional da Educação Básica) e a Anresc (Avaliação Nacional do Rendimento Escolar, também conhecida como Prova Brasil).

Até 2019, as provas eram realizadas a cada dois anos. Em 2020, o Ministério da Educação anunciou que a avaliação será anual.


Quem fez as provas em 2019

  • De forma censitária, estudantes do 5º e do 9º ano do Ensino Fundamental e do 3º ano do Ensino Médio da rede pública fizeram provas de Língua Portuguesa e de Matemática;
  • Por amostragem, estudantes do 5º e do 9º ano do Ensino Fundamental e do 3º ano do Ensino Médio da rede privada também foram submetidos ao mesmo teste aplicado na rede pública;
  • Estudantes do 9º ano de escolas públicas e privadas fizeram, por amostra, os exames de Ciências da Natureza (Física, Química e Biologia) e de Ciências Humanas (História, Geografia, Sociologia e Filosofia), já alinhados à Base Nacional Comum Curricular (BNCC), que dividiu as habilidades (conteúdos essenciais) por área de conhecimento;
  • Estudantes do 2º ano do Ensino Fundamental das redes pública e privada, também por amostra, fizeram os testes de Língua Portuguesa e de Matemática, tomando como referência a BNCC. Até então, as provas da antiga Avaliação Nacional de Alfabetização (ANA) eram realizadas censitariamente pelo 3º ano;
  • Para conhecer as condições de acesso e da oferta da Educação Infantil (creche e pré-escola) nas redes pública ou conveniada, o secretário de educação, diretores e professores responderam a questionários, de forma amostral;
  • Os estudantes matriculados na educação especial e que faziam parte do público-alvo do Saeb também participaram e contaram com atendimento especializado.

Resultados
São divulgados apenas os resultados das escolas públicas que registrem, no mínimo, dez estudantes presentes às provas e que, concomitantemente, tenham participação de pelo menos 80% dos matriculados realizando o exame.

Os resultados do Saeb somados aos dados de aprovação, reprovação e abandono aferidos pelo Censo Escolar são usados para calcular o Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb).

 As unidades que participam de forma amostral não têm notas por escola e nem seus nomes divulgados. Os seus resultados são usados apenas para atribuir as notas do País, da região geográfica e da unidade da federação.

* Com informações da Secretaria de Educação/DF