12/5/20 15:38
Atualizado em 12/5/20 às 15:38

Servidores do SLU trabalham em turnos para garantir os serviços de limpeza do DF

Equipes de fiscalização, coordenação e operação continuam nas ruas para manter a operação em dia

Considerado serviço essencial, o Serviço de Limpeza Urbana do DF (SLU) mantém mais de 590 servidores da Diretoria de Limpeza na linha de frente das diversas operações realizadas pelo órgão, mesmo neste momento de pandemia do novo coronavírus. São equipes de fiscalização, coordenação e operação que continuam nas ruas e ajudam a garantir a manutenção das atividades de limpeza e dos núcleos, como a Unidade de Recebimento de Entulhos (URE), papa entulho e Aterro Sanitário.

No Aterro Sanitário de Brasília, por exemplo, todos os dias, 12 servidores se revezam em turnos diários para garantir o funcionamento do local que recebe 2.700 toneladas de resíduos diariamente. E mesmo com a pandemia do novo coronavírus, a realidade não mudou. A diferença é que, agora, todos utilizam máscara e redobram os cuidados com a higienização das mãos.

“Não tem como parar. As pessoas continuam produzindo resíduo. Mesmo mais expostos, temos que dar continuidade ao serviço, tomando todos os cuidados possíveis”, relata o Gerente de Aterro do SLU, Cícero Lacerda.

Segundo o gerente, a equipe do aterro precisa diariamente dar conta do recebimento da coleta domiciliar, além de fiscalizar operações como o gerenciamento de resíduos hospitalares, que são coletados diariamente e encaminhados para incineração. “Por mais que parte da operação seja de empresa terceirizada, nós temos que colocar servidores para fiscalizar a execução do contrato, para garantir que ele seja cumprido de forma correta”, explicou.

Equipes se revezam diariamente para garantir a manutenção de todos os serviços de limpeza urbana. Foto: Divulgação SLU

Não é diferente nos núcleos de limpeza das regionais. Em Ceilândia, por exemplo, a chefe substituta, Cristina Luiza de Oliveira, diz que o atendimento não parou, seja no núcleo ou nas unidades como papa entulho, que seguem abertos. “Estamos tomando todos os cuidados. O maior problema é que tem muita gente que chega de fora para solicitar um serviço, mas que está sem máscara, por exemplo. Então a gente explica que tem que usar máscara, que tem que manter distanciamento. Mas não podemos parar. A gente trabalha para a população, temos que receber a todos”, relatou a chefe.

A diretora de Limpeza Urbana do SLU, Eliana Filomena Nicolini, informou que todos os servidores que continuam nas ruas estão seguindo as recomendações de segurança. Para o chefe do Núcleo de Limpeza de Brasília do SLU, Valdemir Inácio, a importância do serviço justifica a dedicação: “Estamos nas ruas de manhã, de tarde e, se for preciso, de noite, para garantir o melhor serviço à população do DF”.