1/7/20 19:49
Atualizado em 1/7/20 às 19:49

Metroviários e rodoviários são testados para o novo coronavírus

Ao todo, 500 testes foram disponibilizados para profissionais com sintomas ou que tiveram contato com alguém infectado

Com a preocupação de identificar o maior número possível de pessoas que podem estar infectadas com o novo coronavírus (Sars-CoV-2), a Secretaria de Saúde disponibilizou 500 testes para detecção da Covid-19 para os metroviários e rodoviários. A ação ocorre no Complexo Administrativo e Operacional do Metrô-DF, em Águas Claras.

“Este é um grupo de profissionais que têm um contato e convívio muito próximo com a população. Com essa ação de testagem conseguimos dar mais segurança à população. Nosso objetivo é identificar os assintomáticos e afastá-los para tratar os sintomas, a fim de evitar a proliferação do coronavírus”, explica o secretário adjunto de Assistência à Saúde, Ricardo Tavares.

Os testes foram divididos igualmente para as duas categorias e estão sendo feitos desde a última segunda-feira (29). Nos dois primeiros dias foram testados 250 profissionais do Metrô-DF, que trabalham nas áreas de operação, manutenção, pilotos, centro de controle, segurança e estações.

A escolha dos profissionais levou em consideração critérios como, ter sintomas e ter tido contato com alguém infectado pelo novo coronavírus. Dos 250 metroviários testados, somente cinco foram positivos e afastados imediatamente.

Depois que um teste para detectar a Covid-19 dá positivo é imprescindível saber como deve proceder a partir desse momento. Conforme o alerta dos especialistas da Secretaria de Saúde, a unidade básica de saúde (UBS) mais próxima da residência dos usuários será o ponto de partida para qualquer providência que precise ser tomada.

“Essa testagem é muito importante, pois desde o início da pandemia continuamos operando normalmente, só afastamos os profissionais que estão no grupo de risco para a Covid-19. O índice de casos positivos está bem baixo, o que mostra que nossas medidas de prevenção têm sido eficazes.

A cada viagem, os trens são limpos quando chegam nos terminais de Ceilândia, Samambaia e Plano Piloto. Além disso, fazemos a sanitização semanalmente em todas as estações e temos todos os cuidados com nossos profissionais”, afirma Marcus Marinho, superintendente de Administração do Metrô-DF.

Rodoviários

As empresas de transporte público foram comunicadas sobre a testagem e selecionaram os rodoviários para fazer o teste rápido. A ação realizada nesta quarta-feira (1º) testou 83 pessoas e em 24 o coronavírus foi confirmado. A ação contou com a parceria da Cruz Vermelha, que disponibilizou profissionais para realizarem os testes. Para evitar aglomeração, o exame foi agendado e durante a ação havia tapetes com sanitizantes. Novas ações serão programadas para esse público.

A cobradora Shirley Mendes, de 38 anos, conta que recebeu uma mensagem da empresa em que trabalha orientando ir fazer o teste. Ela teve Covid-19 em maio, mas ficou assintomática e cuidou da doença em casa, fazendo o isolamento domiciliar. “Não senti absolutamente nada e depois dos 15 dias eu voltei a trabalhar normalmente”, afirma.

Já o caso de José Carlos Pereira, de 55 anos, cobrador, foi totalmente diferente. Ele pegou a Covid-19 no início da pandemia, em março. Precisou ser internado por 8 dias, chegou a ficar na UTI por 3 dias com respirador artificial.

“Graças a Deus não precisei ser entubado, mas fiquei muito mal. Depois que sai do hospital, fiquei 14 dias fazendo isolamento e a empresa me deu mais um mês de férias para eu me recuperar. Ainda estou fazendo fisioterapia espiratório, mas já voltei a trabalhar”, relata. Apesar de ter pego o coronavírus em março, o cobrador ainda teve seu teste positivo na testagem desta quarta-feira.

* Com informações da Secretaria de Saúde