19/8/20 12:46
Atualizado em 19/8/20 às 12:46

Pró-Vítima volta a funcionar em horário integral

As unidades estarão abertas das 9h às 18h a partir de segunda-feira (24) e com medidas para evitar a propagação do coronavírus

Os seis núcleos do Pró-Vítima serão reabertos para atendimento presencial a partir desta segunda-feira (24/8). O programa, da Secretaria de Justiça e Cidadania (Sejus), oferece acolhimento de vítimas de violência por meio de equipe com psicólogos e assistentes sociais.

O funcionamento será em horário integral, das 9h às 18h. Desde o início da pandemia do novo coronavírus, o Pró-Vítima oferecia serviços em plantão e por meio de telefone. Agora, a pasta adotou um protocolo para retomada do atendimento presencial.
 
As unidades contam com barreiras de acrílico nas mesas, distribuição de equipamentos de proteção para servidores, escalas de rodízio de funcionários, disponibilização de máscaras de álcool em gel, álcool 70% e uso de termômetro para ingresso nas dependências.

“Temos um aumento considerável de casos de violência contra crianças, adolescentes e mulheres durante a pandemia. Por isso, a necessidade desse atendimento social e psicológico para as vítimas. Faremos a retomada consciente e segura desse serviço, com um protocolo de segurança semelhante ao que adotamos nos postos do Na Hora e nos conselhos tutelares”, disse a secretária de Justiça e Cidadania, Marcela Passamani.

Os núcleos do Pró-Vítima atendem as vítimas de violência que buscam os serviços espontaneamente ou por meio do encaminhamento de instituições, autoridades públicas, amigos, parentes ou pessoas da comunidade. As unidades físicas estão em Brasília, Guará, Taguatinga, Ceilândia, Planaltina e Paranoá.
 
O programa realizou, de janeiro a julho de 2020, 2.545 atendimentos. No total, 123 mulheres que sofreram violência doméstica foram acolhidas nesse período.

Itinerante

A Sejus prevê iniciar, nos próximos dias, o atendimento itinerante nas regiões que não têm núcleo físico do Pró-Vítima. Um ônibus da pasta vai percorrer as cidades para levar o serviço psicológico e social a pessoas que sofreram qualquer tipo de violência, especialmente as que vivem nos locais mais vulneráveis.

O veículo passa por adaptação para oferecer um espaço de acolhimento individualizado e sigiloso, de acordo com a pasta. O ônibus ficará por dois dias em cada região.
 
Após o atendimento itinerante, as vítimas serão encaminhadas para acompanhamento no núcleo físico mais próximo da residência e para outros serviços da Sejus e da rede de atendimento, como a Defensoria Pública.

“Precisamos e queremos estar perto das pessoas nesse momento tão difícil, levando nosso atendimento a quem mais precisa. Com esse serviço itinerante, levaremos nossa equipe de assistentes sociais e psicólogos para fazer o acolhimento da população. Nesse primeiro momento, estaremos nas cidades para acolher, amparar e dar suporte emocional para as vítimas de violência”, afirmou Marcela.