22/11/20 11:30
Atualizado em 22/11/20 às 16:44

Região Central convida para cadastro pelo e-SUS

Objetivo é ter o maior número de usuários registrados no sistema de saúde pública, do qual todos se beneficiam

A Superintendência da Região de Saúde Central está convidando toda a população a se cadastrar no sistema e-SUS. O registro de usuários por território se faz necessário porque é com base na quantidade de cadastrados que o Ministério da Saúde faz o cálculo do repasse de verbas enviado ao atendimento de cada cidade. Devido à pandemia de Covid-19, a população pode se cadastrar por meio do formulário eletrônico.

O site da Secretaria de Governo (Segov) oferece um link para que os moradores do Cruzeiro, Lago Norte, Lago Sul, asas Sul e Norte, Sudoeste/Octogonal, Vila Telebrasília, Vila Planalto e Varjão possam se registrar ou atualizar o cadastro.

Sistema único

De acordo com o diretor de Atenção Primária da Região Central de Saúde, Valdir Nunes de Sousa, toda pessoa precisa se cadastrar no e-SUS, mesmo que possua plano de saúde, pois em algum momento pode necessitar dos serviços da saúde pública. 

“A população precisa entender que tudo faz parte do SUS”, explica. “Se a pessoa sofre um acidente e é socorrida pelo Samu, por exemplo, é levada para um hospital público. Se for vacinar o filho, precisa do cadastro do SUS. Por isso, mesmo que não utilize [o serviço] com frequência, é essencial que se cadastre no e-SUS.”

Atualmente, a Região Central contempla 392 mil habitantes. Desse total, somente 28 mil estão cadastrados no sistema digital. Além disso, são nove unidades básicas de saúde (UBSs) atendendo toda a área de abrangência. Há uma UBS na Asa Sul, duas na Asa Norte, uma no Lago Norte, uma no Varjão, uma no Cruzeiro Velho, uma no Cruzeiro Novo, uma na Vila Planalto e outra na Granja do Torto.

O objetivo é incentivar que todos os moradores do DF incluam seu nome no cadastro do SUS e mudem a cultura de não se cadastrar. A inscrição pela internet deve ser feita pelo responsável pelo domicílio, a quem também caberá informar quantas pessoas moram na residência e os dados pessoais delas.

Parceria

Para reforçar a divulgação do cadastro, a Secretaria de Saúde (SES) conta com o apoio da Administração Regional do Plano Piloto, que tem feito campanha para que a população se cadastre. 

Segundo a administradora regional, Ilka Teodoro, historicamente, a população do Plano Piloto não faz o cadastramento no SUS por ter alta renda e pagar plano de saúde. Ela cita a Pesquisa Distrital por Amostra de Domicílios (Pdad) de 2018, segundo a qual 82% dos moradores do Plano Piloto têm plano de saúde particular ou empresarial.

Ilka ressalta que todo o trabalho da SES é planejado de acordo com esses recursos que são repassados com base no número de cadastrados no SUS. “Isso impacta no trabalho de combate à dengue, na fiscalização de segurança alimentar nas feiras e nos restaurantes, no caso de um acidente que precise de atendimento do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) e na vacinação, porque, mesmo tendo plano de saúde, todo mundo se vacina na UBS”, avalia.