14/12/20 16:20
Atualizado em 14/12/20 às 16:20

TCDF autoriza licitação de viaduto no Sudoeste

Investimento é de R$ 27,2 milhões com geração de cerca de 200 empregos. Engenho vai melhorar a fluidez na Epig, por onde passam 25 mil veículos/dia

Os trevos na Epig serão feitos de forma subterrânea. Com a mudança, quem sair do Parque da Cidade em direção ao Sudoeste não terá mais de passar por semáforos e retornos. Seguirá direto para a Avenida das Jaqueiras, passando embaixo da Epig

A licitação para contratação de empresa responsável pela execução das obras do viaduto da Estrada Parque Indústrias Gráficas (Epig) será realizada no dia 14 de janeiro de 2021. O certame ocorreria no dia 17 de agosto, mas acabou suspenso pelo Tribunal de Contas do Distrito Federal (TCDF) para que fossem feitos ajustes no Edital e no Termo de Referência.

“Atendemos todas as requisições e a continuidade da licitação foi autorizada pelo TCDF. Nossa expectativa é de que todo o processo esteja concluído em 120 dias para que possamos começar as obras logo após o término do período chuvoso”, afirma Janaína Chagas, secretária executiva de Obras.

O viaduto será construído na intersecção da Epig com o Sudoeste e o Parque da Cidade – local por onde passam, em média, 25 mil veículos por dia. A previsão é de que o investimento seja de R$ 27.227.792,53. “Com o viaduto, semáforos e retornos que interligam as duas vias serão retirados. Teremos mais fluidez no trânsito da região”, pontua o subsecretário de Acompanhamento e Fiscalização de Obras do GDF, Ricardo Terenzi.

Os trevos na Epig serão feitos em trincheiras, ou seja, de forma subterrânea. Com a mudança, quem sair do Parque da Cidade em direção ao Sudoeste não terá mais de passar por semáforos e retornos. Seguirá direto para a Avenida das Jaqueiras, passando embaixo da Epig. A obra também permitirá sair do Sudoeste, na altura da avenida, e pegar a Epig sentido Plano Piloto — e vice-versa — sem a necessidade de retorno.

Corredor Eixo Oeste

Como o viaduto faz parte de uma série de intervenções do corredor Eixo Oeste, os trabalhos incluirão o alargamento de vias para que, no futuro, haja em toda a Epig quatro faixas, uma delas exclusiva para BRT.

O projeto do corredor Eixo Oeste — com 38,7 quilômetros de extensão — prevê o alargamento de pistas e a construção de faixas exclusivas nas principais vias de ligação do Sol Nascente com o Plano Piloto, como a Hélio Prates, a Epis e a Estrada Parque Polícia Militar (ESPM), que leva ao Terminal da Asa Sul.

“O objetivo é reduzir em meia hora o tempo de deslocamento até o Plano Piloto. As obras são feitas por trechos, uma vez que seria inviável fazer as intervenções de uma vez no trânsito”, explica o secretário de Obras, Luciano Carvalho.

*Com informações da Secretaria de Obras