27/2/21 10:18
Atualizado em 27/2/21 às 10:18

Museus locais fechados a partir deste sábado (27)

Medida antecipa o decreto que estabelece o lockdown e abrange todos os equipamentos culturais que seguiam abertos desde 18 de setembro de 2020

Foto: Paulo H. Carvalho/Agência Brasília
Com programação diversificada e novas mostras frequentes, o Museu Nacional bateu a marca de 24.170 visitantes desde a reabertura | Foto: Paulo H. Carvalho/Agência Brasília

Diante do Decreto 41.842, publicado nessa sexta-feira (26), no Diário Oficial do Distrito Federal (DODF), a Secretaria de Cultura e Economia Criativa (Secec) decidiu fechar, neste sábado (27), todos os equipamentos culturais públicos que seguiam abertos, dentro de protocolos de saúde e higiene, desde 18 de setembro de 2020. São eles: Museu Nacional da República, Centro Cultural Três Poderes (CC3P – composto por Museu da Cidade, Museu Lúcio Costa e Panteão da Pátria), Museu Vivo da Memória Candanga (MCMC) e Memorial dos Povos Indígenas (MPI). Todos estavam funcionando de sexta-feira a domingo, em seis horas por dia.

“É uma decisão em nome da proteção da vida. Sabemos da importância desses equipamentos para a formação cultural e para o lazer de turistas e brasilienses. Espero anunciar a reabertura em breve, quando toda essa delicada situação for vencida pela ciência e pelo empenho da saúde pública'Bartolomeu Rodrigues, secretário de Cultura e Economia Criativa

“É uma decisão em nome da proteção da vida. Sabemos da importância desses equipamentos para a formação cultural e para o lazer de turistas e brasilienses. Espero anunciar a reabertura em breve, quando toda essa delicada situação for vencida pela ciência e pelo empenho da saúde pública”, destacou o secretário de Cultura e Economia Criativa, Bartolomeu Rodrigues.

Desde a reabertura dos equipamentos públicos da Secec, em setembro de 2020, os museus estão tendo visitas monitoradas pelos protocolos internacionais de saúde. Além dos itens de higiene e segurança básicos, como a obrigatoriedade do uso de máscara para acessar os espaços, cada museu contava com fornecimento do álcool gel nas portas de entrada, termômetro para medição e marcações no chão, visando ao distanciamento social.

Alguns espaços oferecem, ainda, sapatilhas descartáveis, os pró-pés. É o que acontece no Centro Cultural Três Poderes, Memorial dos Povos Indígenas, Museu Nacional da República e Museu Vivo da Memória Candanga.

Visitação crescente

O Museu Nacional da República e o Centro Cultural Três Poderes (CC3P) vinham tendo uma visitação crescente, sobretudo, com a chegada do verão e de feriados prolongados, como o carnaval. Com programação de exposições e acervo de qualidade, esses espaços vinham mantendo quórum considerável. Os três museus do CC3P, por exemplo, receberam 26.812 visitas, funcionando de sexta-feira a domingo, por seis horas, e com visitadas limitadas de 20 a 40 pessoas por salão. Só no carnaval foram 1.346 pessoas.

Com programação diversificada e novas mostras frequentes, o Museu Nacional bateu a marca de 24.170 visitantes desde a reabertura. No feriado de carnaval, o equipamento contou com público de 1.085 pessoas.

Sara Seilert, diretora do Museu Nacional, atribui a boa visitação dos museus à necessidade da experiência sensorial em tempos de segurança. “O contato direto com as obras de arte, a imersão na arquitetura, o passeio ao ar livre pela praça pública são algumas das experimentações e vivências possibilitadas pela visita ao Museu. Vivências que os ambientes virtuais não conseguem substituir”, completou.

 

*Com informações da Secretaria de Cultura e Economia Criativa