17/3/21 20:49
Atualizado em 18/3/21 às 7:45

Hospital de Santa Maria já atendeu mais de 23 mil pacientes com coronavírus

Dados são referentes aos atendimentos registrados entre abril/20 e a primeira quinzena deste mês. Nesta semana, unidade ganhou mais 80 leitos de UTI

Todos os 80 leitos abertos no início da semana no HRSM foram ocupados nesta quarta-feira (17)| Foto: Paulo H. Carvalho/Agência Brasília

Graças ao esforço concentrado para garantir assistência médica aos pacientes que chegam com problemas respiratórios, o Hospital Regional de Santa Maria (HRSM) ultrapassou 23 mil atendimentos de pacientes diagnosticados ou com suspeita de covid-19 entre abril de 2020 e essa terça-feira (16), segundo balanço da Gestão de Leitos da unidade.

“Estamos fazendo o possível para atender o máximo de pessoas”Kariny Bonatti, gerente de Enfermagem

Para atender aos crescentes casos de coronavírus, foram abertos no início desta semana 80 leitos na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Santa Maria. Todos esses leitos foram ocupados nesta quarta-feira (17), conforme registrado no painel da Sala de Situação da Secretaria de Saúde. Na mesma tarde, a taxa de ocupação do Pronto-Socorro covid-19 do HRSM atingiu 286%.

A direção do Instituto de Gestão Estratégica de Saúde do DF (Iges-DF), que administra o Hospital de Santa Maria, continua trabalhando para não deixar paciente sem atendimento. A orientação é arrumar espaço mesmo sem ter área disponível para tantos doentes. “Em um lugar onde cabem 15 pacientes, são atendidos 43”, exemplifica a gerente de Enfermagem, Kariny Bonatti. “Estamos fazendo o possível para atender o máximo de pessoas.”

Cuidados redobrados

Mesmo com o excesso de pacientes, a direção do HRSM garante que todas as medidas sanitárias para proteger pacientes, acompanhantes e profissionais de saúde estão sendo adotadas. Os cuidados são redobrados nas áreas onde ficam pessoas com coronavírus, ou seja, no Pronto-Socorro (térreo) e na UTI covid-19 (primeiro e quinto andares).

Para reduzir riscos de contaminação, foram instaladas divisórias separando grupos de pacientes contaminados pela covid e destinados elevadores exclusivos para transportar esses doentes. Outra medida adotada: em diversas portas foram instalados dispositivos para abri-las automaticamente, evitando o contato manual e, consequentemente, maior risco de contágio.

Os profissionais de saúde não foram esquecidos. No hospital há uma área específica onde eles vestem os equipamentos de proteção individual novos e descartam esse material depois de usado. Além disso, dispõem de refeitório e armários exclusivos e em áreas limpas e isoladas.

Abastecimento de oxigênio

No HRSM, estão disponíveis 639 pontos de oxigênio, todos em plenas condições de uso. Desses, 130 estão instalados no Pronto-Socorro e nas UTIs para pacientes com covid-19.

Para atender a todos, o HRSM instalou expansores em dois pontos de oxigênio do Pronto-Socorro covid-19. Cada passagem conta com três expansores, conectados uns aos outros. Assim, é possível expandir o fornecimento de oxigênio de um para oito pacientes atendidos naquele setor.

Essa técnica é adotada em casos emergenciais e de acordo com as normas de segurança. “Nesse procedimento não há nenhum tipo de compartilhamento de tubos ou válvulas entre os pacientes, garantindo a segurança de todos”, afirma Fúlvio Gouveia Fontana, gerente de logística do HRSM.

*Com informações do Iges-DF