13/8/21 11:39
Atualizado em 13/8/21 às 13:42

GDF recebe empresários em fórum de economia

Reunião integra módulo ‘Hora de Ouvir’, do encontro, que abre espaço para os setores produtivos apresentarem propostas

“Não dá para discutir solução para os problemas olhando somente para a economia hoje. Temos que olhar para o social, para a capacitação e a força de trabalho das pessoas” André Clemente, secretário de Economia

A Secretaria de Economia (Seec) recebeu, nesta quinta-feira (12), mais uma categoria do setor produtivo do Distrito Federal dentro do módulo “Na Hora de Ouvir”, do Fórum Econômico A Economia Pós-Pandemia, ´promovido em parceria com o Conselho Permanente de Políticas Públicas e Gestão Governamental do Distrito Federal (CPPGG-DF). Desta vez, o setor econômico do governo se reuniu com empresários da construção civil e imóveis, que puderam apresentar ao Governo do Distrito Federal seus principais desafios e as devidas sugestões para resolvê-los.

O secretário de Economia, André Clemente, abriu o debate lembrando a importância da rodada de encontros com vistas à implementação de ações efetivas para o momento pós-pandemia. “Não dá para discutir solução para os problemas olhando somente para a economia hoje”, disse. “Temos que olhar para o social, para a capacitação e a força de trabalho das pessoas”.

O presidente da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Distrito Federal (Fecomércio), José Aparecido Freire, elogiou a disposição da Seec em dialogar com o setor produtivo e apresentou uma reflexão sobre o momento atual do setor: “Os desafios são grandes, e os gráficos mostram que não se trata de um problema local, mas nacional”, ressaltou.

“No DF, tivemos o aumento no preço do frete de produtos que vêm de outros estados que impactou no cenário da construção civil”, prosseguiu o gestor. “Precisamos de sensibilidade para continuar a fazer o que está sendo feito, que é a busca por soluções em conjunto. Tenho certeza que sairemos mais fortes do que antes.”

Construção civil

“Fizemos o nosso dever de casa, cumprindo os protocolos sanitários e nos reinventando, fazendo delivery de materiais de construção” Antônio Carlos de Aguiar, presidente do Sindimac

Os participantes foram unânimes em apontar a inflação do setor como principal problema enfrentado pela construção civil, fator que incide fortemente nos contratos de obras públicas e no preço dos imóveis para o cidadão.

Para o presidente do Sindicato de Comércio Varejista de Materiais de Construção do Distrito Federal (Sindimac-DF), Antônio Carlos de Aguiar, o GDF saiu na frente em relação a outros estados ao aprovar a chamada cesta básica da construção. “O GDF atendeu muitas de nossas demandas durante a pandemia”, lembrou. “Fizemos o nosso dever de casa, cumprindo os protocolos sanitários e nos reinventando, fazendo delivery de materiais de construção, por exemplo”. Ele também sugeriu a ampliação do número de itens da cesta para a inclusão de aço e madeira.

O objetivo do fórum é antecipar cenários e desafios do período pós-pandemia, revitalizar a economia, garantir empregos e melhorar a qualidade de vida da população do Distrito Federal. Foi o segundo encontro dessa modalidade com setores produtivos – o primeiro reuniu o segmento de moda e vestuário. Ao todo, serão 13 oficinas como essa, cujas sugestões serão reunidas em um relatório final a ser incorporado pelos diferentes setores do GDF para a implementação de ações efetivas.

André Clemente enfatizou a disposição do GDF em manter um espaço de diálogo constante com cada segmento econômico, o que já resultou em medidas importantes de alívio fiscal e de justiça socioeconômica, principalmente com o Refis de 2020 e o programa Pró-Economia I, entre outras.

“Já fizemos muita coisa, como reduzir a burocracia, ajustar a carga tributária, entre outras tantas ações”, enumerou o secretário de Economia. “Agora, precisamos olhar para o novo mundo, para os novos desafios. O Estado tem que ser o facilitador para a solução de problemas. Com certeza, o diálogo estará mantido.”

Participações

Estiveram presentes na segunda oficina do módulo “Hora de Ouvir” do Fórum Econômico A Economia Pós-Pandemia os presidentes dos sindicatos da Indústria da Construção Civil do Distrito Federal (Sinduscon), Dionyzio Klavdianos, e de Comércio Varejista de Materiais de Construção do Distrito Federal (Sindimac), Antônio Carlos de Aguiar; das federações das Indústrias do DF (Fibra), Jamal Bittar, e do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (Fecomércio), José Aparecido Freire; dos conselhos Regional de Corretores de Imóveis da 8ª Região (Creci), Geraldo Nascimento, e Regional de Engenharia e Agronomia (Crea), Maria de Fátima Ribeiro Có; e ainda os presidentes da Associação de Empresas do Mercado Imobiliário do Distrito Federal (Ademi), Eduardo Aroeira Almeida; Associação dos Comerciantes de Material de Construção (Acomac), Mateus Carvalho, e Associação Brasiliense de Construtores (Asbraco), Luiz Afonso Delgado Assad.

Por parte do governo, além do secretário de Economia, participaram o secretário de Desenvolvimento Econômico, José Eduardo Pereira Filho; a secretária executiva do Conselho Permanente de Políticas Públicas e Gestão Governamental do Distrito Federal (CPPGG), Rose Rainha; o presidente da Companhia de Planejamento do Distrito Federal (Codeplan), Jean Lima, e o diretor de Regularização Social e Desenvolvimento Econômico da Companhia Imobiliária de Brasília (Terracap), Leonardo Mundim.

*Com informações da Secretaria de Economia