1/4/15 20:19
Atualizado em 1/4/15 às 20:19

Servidores suspensos por agredir adolescentes

Eles trabalham em unidade de internação provisória e vão ficar sem receber salários durante o período da penalidade

Seis servidores da Unidade de Internação Provisória de São Sebastião foram suspensos do trabalho nesta quarta-feira (1º) por agredirem, em outubro de 2014, adolescentes em cumprimento de medida socioeducativa. A decisão foi publicada no Diário Oficial do Distrito Federal de hoje.

Os funcionários, educadores sociais contratados por tempo determinado, responderam a um processo de sindicância. Quatro deles foram suspensos por 90 dias e dois por 25 dias. Durante o período da punição, o grupo não será remunerado.

“Estamos de olho e vamos apurar e punir toda e qualquer agressão que ficar comprovada. Tanto pela violação de direitos como para mandar um recado a quem usa a violência como prática. Esse método não será aceito aqui”, afirmou a secretária de Políticas para Crianças, Adolescentes e Juventude, Jane Klebia Reis.

O caso ocorreu após uma confusão na unidade em 27 de outubro do ano passado. Dezessete adolescentes começaram a bater forte nas portas para fazer barulho. Após serem advertidos e continuarem a manifestação, alguns adolescentes foram retirados dos quartos e agredidos fisicamente. Os laudos do exame de corpo delito confirmaram o ataque.

Corregedoria
Outros casos de violência estão sendo apurados pela corregedoria da pasta. “Quando assumimos, vários processos estavam parados sem motivo. Nós os resgatamos e estamos apurando”, acrescentou a secretária, segundo a qual grande parte envolve servidores temporários.

A Unidade de Internação Provisória de São Sebastião tem hoje 175 adolescentes. Trabalham no local 315 servidores, entre pedagogos, psicólogos, assistentes sociais e educadores. Todos têm contrato por tempo determinado.

Nos últimos dois meses, 75 contratos venceram e não foram renovados. A pasta está concluindo a definição de atribuições de cargos para lançar, ainda neste semestre, o edital do concurso público para a carreira. A previsão orçamentária é para contratar 200 pessoas e formar cadastro reserva.