9/10/15 22:19
Atualizado em 9/10/15 às 22:19

TJDFT determina que paralisação de profissionais da Saúde é ilegal

Categoria decidiu entrar em greve na quinta-feira (8), mas governo recorreu à Justiça

A Justiça determinou, nesta sexta-feira (9), a ilegalidade da greve dos profissionais da Secretaria de Saúde e o retorno imediato dos servidores sob pena de R$ 100 mil para cada sindicato cujos filiados não cumpram a decisão.

Nessa quinta-feira (8), por meio de ação declaratória de abusividade de greve, a Procuradoria-Geral do DF colocou como réus o Sindicato dos Médicos do DF, o Sindicato dos Auxiliares e Técnicos em Enfermagem do DF, o Sindicato dos Auxiliares e Técnicos em Radiologia do DF, o Sindicato dos Empregados em Estabelecimentos de Serviços de Saúde de Brasília e o Sindicato dos Odontologistas do DF.

A categoria decidiu entrar em greve na manhã de quinta-feira (8), após assembleia na Praça Cívica da Câmara Legislativa.

Argumentos
O governo de Brasília alegou que “a greve decretada traz prejuízos irreparáveis à regular prestação dos serviços de saúde, interrompendo a assistência aos doentes em áreas críticas, tais como em UTIs adulto, infantil e neonatal; centros cirúrgicos e obstétricos; emergência; cirurgias de cabeça e pescoço”. Outro fator usado na argumentação pela procuradoria é o aumento de demandas no Judiciário buscando atendimento na rede pública.