1/11/15 17:32
Atualizado em 1/11/15 às 17:32

Saúde e participação política são prioridades eleitas para conferências de mulheres

Definição para etapas distrital e nacional ocorreu durante encontro por regiões, nesse sábado (31), com representantes de Águas Claras, Brazlândia, Ceilândia e Taguatinga

Mulheres de Águas Claras, Brazlândia, Ceilândia e Taguatinga definiram, entre outras prioridades, saúde e maior participação política como principais focos a serem levados para a 4ª Conferência Distrital de Políticas para as Mulheres, em 5 e 6 de dezembro, e para a conferência nacional, de 15 a 18 de março de 2016. Ambas ocorrerão em Brasília. A decisão foi tomada durante a 3ª Conferência Regional de Políticas para as Mulheres, no Centro de Ensino Médio EIT, em Taguatinga, nesse sábado (31), com cerca de 80 participantes. O encontro serviu como preparação para os outros dois.

“Foi um momento bastante acalorado, pois as mulheres ainda se sentem reduzidas na participação política”, conta Elaine Claudina, chefe de Gabinete da Secretaria-Adjunta de Políticas para as Mulheres, Igualdade Racial e Direitos Humanos, braço da Secretaria do Trabalho, Desenvolvimento Social, Mulheres, Igualdade Social e Direitos Humanos, pasta que resultou da fusão das Secretarias do Trabalho e do Empreendedorismo; de Políticas para as Mulheres, Igualdade Racial e Direitos Humanos; e de Desenvolvimento Humano e Social. Na condição de coordenadora de estrutura e logística da etapa distrital, Elaine destaca que as propostas orientarão tanto o governo de Brasília quanto o federal na formulação de políticas públicas mais eficazes para esse público.

Também foram abordados assuntos como mercado de trabalho, fortalecimento dos serviços do Estado para o público feminino, capacitação profissional, segurança e a mulher na condição de mãe e chefe de família. De acordo com Elaine, além das sugestões dentro das temáticas, geralmente são levantadas questões como atenção especializada às egressas do sistema prisional, ampliação no número de vagas em creches públicas, atendimento especializado em delegacias e garantia de equiparação salarial com os homens.

As discussões, ressalta a coordenadora, têm de estar inseridas em quatro eixos: conselhos dos direitos da mulher e dos movimentos para a efetivação da igualdade de direitos e oportunidades; estruturas institucionais e políticas públicas desenvolvidas para as mulheres nos âmbitos municipal, estadual e federal; sistema político com participação das mulheres e igualdade; e sistema nacional de políticas para mulheres.

Próxima reunião
Até agora, cerca de 430 pessoas participaram das conferências regionais, no Recanto das Emas, em Sobradinho e em Taguatinga. A última antes da etapa distrital está prevista para o dia 14, na Escola Parque 308 Sul. Participarão representantes da Candangolândia, do Cruzeiro, do Guará, dos Lagos Sul e Norte, do Núcleo Bandeirante, do Paranoá, do Plano Piloto, de São Sebastião, do Sudoeste e do Varjão.

As inscrições poderão ser feitas no local e, embora direcionados ao público feminino, toda a sociedade é bem-vinda aos encontros. “Existem muitos homens engajados na causa que contribuem bastante para o avanço das políticas femininas”, pontua Elaine.

As reuniões locais são organizadas pela Secretaria do Trabalho, Desenvolvimento Social, Mulheres, Igualdade Social e Direitos Humanos e pelo Conselho dos Direitos da Mulher do Distrito Federal, em parceria com a sociedade e com movimentos organizados. Já a coordenação da nacional fica a cargo da Secretaria de Políticas para as Mulheres, da Presidência da República, e do Conselho Nacional dos Direitos da Mulher.

4ª Conferência Regional de Políticas para as Mulheres
14 de novembro de 2015 (sábado)
Das 8 às 13 horas
Escola Parque 308 Sul
Inscrições no local do evento

4ª Conferência Distrital de Políticas para as Mulheres
5 e 6 de dezembro de 2015 (sábado e domingo)
Das 8 às 13 horas
Escola de Aperfeiçoamento dos Profissionais da Educação — Quadra 907 Sul
Inscrições pela internet e no local do evento

Leia também:

Moradoras de seis regiões debatem políticas para mulheres

Políticas para as mulheres são discutidas em encontro