6/12/15 17:42
Atualizado em 6/12/15 às 17:42

Zoológico recebe 3,5 mil visitantes no 58º aniversário

Tempo nublado e chuva diminuíram média registrada aos domingos de até 5,5 mil pessoas. Mesmo assim, público prestigiou a data


. Foto: Dênio Simões/Agência Brasília

Atualizado em 6 de dezembro de 2015, às 18h04

Apesar do tempo nublado e da chuva intermitentes durante todo o dia, uma média de 3,5 mil pessoas — entre pagantes e isentas — esteve no Zoológico de Brasília hoje (6), no aniversário de 58 anos do parque. O número médio registrado normalmente aos domingos varia de 5 mil a 5,5 mil visitantes. A data foi marcada por programação especial e inaugurações. De manhã, a do Centro Multifuncional de Acessibilidade, espaço totalmente dedicado a pessoas com deficiência; à tarde, a da galeria dos ex-presidentes da Fundação Jardim Zoológico, no Museu de Ciências Naturais.

Depois do meio-dia, quando o movimento aumentou, houve o tradicional corte do bolo, no anfiteatro, e atrações diversas para crianças e adultos em vários locais. O empresário Flávio Venâncio, de 37 anos, levou os dois filhos — Vitória, de 2 anos, e Vinícius, de 5 anos — para passear e aprovou os eventos que encontrou. “É muito bacana para os pequenos ter outras opções além do Parque da Cidade, trazer coisas diferentes para cá é muito importante.”

Centro de acessibilidade
O Centro Multifuncional de Acessibilidade tem piso tátil, banheiro adaptado, materiais com informações sobre animais em braille e em português, espécies taxidermizadas (empalhadas), mapa tátil, sala de informática com computadores touchscreen (tela sensível ao toque) e ambientes para oficinas. A inauguração fez parte das comemorações do aniversário de 58 anos do parque.

O diretor-presidente da fundação, José Vieira, contou que já existe um trabalho voltado à acessibilidade. A ideia era ampliá-lo: “Por que não criar um centro de referência com multifuncionalidades para trabalhar com esses grupos?” Desde 2012, o projeto Zoo Especial propõe diferentes experiências para esse público, entre elas, um circuito com o objetivo de proporcionar percepções sensoriais, como no contato com a textura das folhas e com os sons dos pássaros, além do trabalho com animais taxidermizados. No Zoo Toque, desenvolvido há mais de dez anos, a proposta para quem tem deficiência visual é, como o próprio nome diz, tocar em alguns bichos para aprender sobre eles.

A construção do centro custou R$ 146 mil, recurso conseguido por meio de edital do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) em convênio com a Fundação de Apoio à Pesquisa do Distrito Federal. A coordenadora, Marcelle de Castro Cavalheiro, adiantou que buscará novas parcerias para garantir a continuidade do projeto e eventualmente ampliar as instalações.

Durante a solenidade, houve apresentação do grupo de dança com cadeiras de rodas do Instituto Avivarte, do Guará. “Ficamos felizes quando vemos um trabalho chamando as pessoas que têm algum tipo de deficiência, porque elas precisam e têm o direito de ir e vir em todos os lugares”, ressaltou a coordenadora, Jane Pires.

Também participaram da cerimônia de abertura do centro o secretário de Educação, Esporte e Lazer, Júlio Gregório Filho, os deputados distritais Júlio Cesar Ribeiro (PRB) e Rodrigo Delmasso (PTN) e a deputada federal Erika Kokay (PT).

Novas placas
Para mostrar aos visitantes o destino de uma parcela da entrada paga na bilheteria, recintos de animais do Cerrado receberam novas placas de identificação com os dizeres: Parte do valor do seu ingresso é destinado para a conservação da minha espécie (veja foto na segunda galeria do Flickr). As sinalizações foram colocadas nos espaços que abrigam araras azuis e vermelhas, lobo-guará, mico-leão-dourado, onça-pintada, tamanduá-bandeira, tamanduá-mirim e tatu bola. Segundo a fundação, a inovação custou cerca de R$ 550, recurso de orçamento do zoo para audiovisual.

Os recintos do rinoceronte Thor, da lontra Sushi e do hipopótamo fêmea Yuli também ganharam novas identificações. Estas, porém, com outra finalidade: contar as histórias de como esses animais chegaram ao zoológico, com uma foto da época para mostrar a melhora na saúde e no bem-estar desde então.

Site
Ainda como parte das comemorações dos 58 anos do parque, o site da Fundação Jardim Zoológico de Brasília foi reformulado. Ganhou leiaute diferente, novas páginas e teve conteúdos e menus reestruturados.

Preço único
Devido ao aniversário, neste fim de semana, o ingresso teve preço único de R$ 5 e a entrada foi gratuita para crianças de até 12 anos e pessoas maiores de 60 anos. Em dias normais de funcionamento, esse valor (meia-entrada) é pago por quem entrou de graça hoje e por estudantes, professores e beneficiários de programas sociais dos governos distrital ou federal, mediante apresentação da carteirinha. A inteira custa R$ 10. Menores de até 5 anos e pessoas com deficiência e o acompanhante são isentos. O zoo fica na Avenida das Nações (L4 Sul) e abre de terça-feira a domingo, das 9 às 17 horas.

Leia também:

Zoológico celebra 58 anos no domingo (6)

Veja as galerias de fotos:

https://www.flickr.com/photos/agenciabrasilia/albums/72157661389113579″ title=”Aos 58 anos, Zoológico ganha Centro Multifuncional de Acessibilidade”>https://farm6.staticflickr.com/5727/23482930851_6db30ef3e0_c.jpg”width=”800″ height=”531″ alt=”Aos 58 anos, Zoológico ganha Centro Multifuncional de Acessibilidade”>

https://www.flickr.com/photos/agenciabrasilia/albums/72157659756022194″ title=”Zoológico recebe 3,5 mil visitantes no 58º aniversário”>https://farm6.staticflickr.com/5777/23270758930_0465a1d1b6_c.jpg”width=”800″ height=”531″ alt=”Zoológico recebe 3,5 mil visitantes no 58º aniversário”>