25/12/15 19:41
Atualizado em 25/12/15 às 19:41

Brasília é protagonista de documentários nacionais e estrangeiros

Informações sobre a cidade são buscadas no Arquivo Público do DF, que também recebe consultas de alunos de história e arquitetura, entre outras áreas. Neste ano, o órgão foi fonte de pesquisa para mais de 450 pessoas


. Foto: Dênio Simões/Agência Brasília

Bastou uma visita para o francês Nicolas Ranson, na época com 23 anos, se apaixonar por Brasília. A capital do País foi cenário do documentário que o repórter, hoje com 36 anos, fez em 2003 na posse do ex-presidente Lula. Desde então, sempre dá um jeito de voltar ao Distrito Federal, seja a trabalho, passeio ou estudo. Já perdeu as contas de quantas viagens fez para cá. Na última, visitou o Arquivo Público do DF para escolher as imagens do novo trabalho que mostrará a capital federal nos dias atuais: um programa que será veiculado em um canal de TV da França — com audiência de 26 milhões de pessoas por semana — no início do ano que vem.

Ranson é sócio-fundador de uma agência independente francesa, com escritório no Rio de Janeiro. Brasileiro de coração, como faz questão de se definir, vive na cidade maravilhosa há 4 anos, mas sua paixão mesmo, garante, é o Planalto Central. “Nunca tinha visto uma cidade igual, tão organizada e planejada”, conta.

Depoimentos de pioneiros
As ruas largas, as famosas tesourinhas e a peculiar organização dos endereços não são assuntos exclusivos à pauta do documentarista. Neste ano, o Arquivo Público já foi fonte de pesquisa para mais de 450 pessoas, número maior que o do ano passado: 366. Entre os que o procuram há gente de importantes canais nacionais e internacionais para programas de TV e séries especiais.

Para uma sequência de quatro capítulos, com duração de 45 minutos cada, o arquivo cedeu depoimentos gravados de pioneiros que trabalharam na construção de Brasília. O material faz parte do programa História Oral do Arquivo Público do Distrito Federal. O programa é de um renomado canal por assinatura americano. Fora isso, o órgão atendeu neste ano grupos da Bélgica, da Universidade do Texas e da República Tcheca.

As grandes pesquisas estrangeiras se somam a consultas acadêmicas habituais, feitas geralmente por estudantes de cursos de arquitetura, história e urbanismo. Segundo a superintendente, Marta Célia Bezerra Vale, o histórico mostra que o arquivo está fazendo seu papel como fonte primária da história da região e de seus personagens. “Muito mais que um órgão de memória, somos uma instituição arquivista pública, preservamos a documentação referente ao Estado.”

Acervo digitalizado
Para facilitar o acesso dos interessados aos mais de 4 milhões de imagens, textos, plantas e mapas arquivados, a gestão tem investido em melhorias no espaço que ganhou sede nova há um ano. O acervo está sendo digitalizado e cerca de 80% dessa digitalização já foi concluída. A medida diminui o tempo das pesquisas, que agora ocorrem em tempo real para a parte do material já disponível em computador. “No passado, teríamos de procurar em centenas de caixas divididas em assuntos”, explica a superintendente.

No início do ano, foram estruturadas uma sala de consulta e uma biblioteca com material sobre arquivologia e a história de Brasília. O acervo já existia, mas estava desmontado por falta de espaço na sede anterior. O lugar recebeu o nome do pioneiro Ernesto Silva, que teve documentos pessoais doados ao Arquivo Público pela viúva. Considerado uma das figuras mais importantes na construção da capital do Brasil, o médico e militar morreu em 2010, aos 95 anos.

Leia também:

Biblioteca e sala do Arquivo Público ganharão nome de Ernesto Silva

Arquivo Público receberá documentos de Ernesto Silva

Veja a galeria de fotos:

https://www.flickr.com/photos/agenciabrasilia/albums/72157662021195169″ title=”Brasília como protagonista”>https://farm2.staticflickr.com/1458/23931071695_4c4319b75a_c.jpg”width=”800″ height=”531″ alt=”Brasília como protagonista”>