29/4/16 23:15
Atualizado em 25/5/16 às 13:23

Artistas acompanham obras do Centro de Dança do DF

Visita de representantes da categoria ocorreu na tarde desta sexta-feira (29). Local deve ser reaberto em novembro

. Foto: Toninho Tavares/Agência Brasília

Bailarinos, coreógrafos e outros representantes da dança de Brasília visitaram as instalações do Centro de Dança do Distrito Federal, no Setor Cultural Norte, na tarde desta sexta-feira (29). Eles foram acompanhar o andamento das obras, iniciadas em 7 de dezembro. A previsão é que o local, fundado em 1993 e fechado desde 2013, seja entregue à população em novembro.

A subsecretária de Políticas de Desenvolvimento e Promoção Cultural, da Secretaria de Cultura, Mariana Soares, guiou os artistas durante o monitoramento e explicou que a ideia é a categoria acompanhar o projeto de perto. “Pensamos em uma gestão compartilhada e queremos sugestões para a manutenção deste espaço quando estiver pronto.”

Estágio da reforma
As obras avançam nas partes hidráulica e elétrica e em adequações de acessibilidade. O projeto custará R$ 3.082.984,11— recursos da Agência de Desenvolvimento do Distrito Federal (Terracap). O valor inicial previsto para a licitação era de R$ 2.997.547,15, mas a empresa pública liberou crédito suplementar em 3 de fevereiro.

Banheiros, lanchonete, fachadas e saguão de entrada recebem novos pisos e azulejos. As salas passam pela fase de instalação de equipamentos para dança, como barra de ferro, mas a reforma inclui ainda tratamento acústico. “Queremos estimular as exibições e os processos criativos que ocorrerão aqui”, destaca a subsecretária. Segundo ela, antes do fim das obras de infraestrutura, a secretaria abrirá licitação para compra de equipamentos e de iluminação.

Instalações adequadas
Para a coreógrafa Yara de Cunto, de 77 anos, é essencial pensar a reforma por meio da visão da categoria. “Lutamos muito por essa reabertura”, diz a representante do Coletivo de Dança Contemporânea de Brasília. De acordo com a artista, radicada em Brasília desde 1989, uma das preocupações do grupo é que as instalações, como o piso, atendam bem os bailarinos. “Tem de ser construída uma plataforma que amorteça o impacto das danças”, avalia.

Yara e os colegas propõem à Secretaria de Cultura instituir um colegiado para que as necessidades sejam contempladas. “Mais do que a reforma, queremos saber como o centro vai funcionar”, adianta a bailarina especializada em dança contemporânea.

Outro interessado é o passista de frevo Jorge Marino. Aos 74 anos, o gaúcho de Rosário do Sul veio para Brasília em 1983, logo após uma temporada no Recife (PE), onde se especializou no ritmo. “Um espaço como este seria fundamental para levar meu trabalho adiante”, afirma o artista, que já deu aulas no centro e hoje leciona em casa. Marino veio para a capital com o objetivo de disseminar estilos populares, como xaxado, forró, coco e ciranda.

Também participaram da visita a arquiteta da Secretaria de Cultura Juliana Giareta e os artistas Gisèle Santoro, Janson Damasceno, Juliana Castro, Lenora Lobo, Luciana Lara, Marconi Valadares, Monica Berardinelli, Raphael Balduzi, Regina Maura, Reginaldo Moreira e Verena Castro. O encontro foi marcado para homenagear o Dia Internacional da Dança, comemorado hoje (29). A data foi instituída em 1982, pelo Conselho Internacional da Dança, entidade vinculada à Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (Unesco).

Leia também:

Centro de Dança será entregue em 2016

Reforma do Centro de Dança é retomada

Veja a galeria de fotos:

Artistas acompanham obras do Centro de Dança do DF