30/5/16 8:22
Atualizado em 30/5/16 às 15:12

Aos 16 anos, morre o leão Dengo

Graças ao tratamento de funcionários do Zoológico de Brasília, mesmo com aids felina, ele ultrapassou média de vida de um animal saudável

O leão Dengo vivia em um espaço de 77 metros quadrados, com tanque de água e pontos de sombra e sol.
Há quase cinco anos sob os cuidados da Fundação Jardim Zoológico de Brasília, o leão Dengo morreu nesse domingo (29). Foto: Dênio Simões/Agência Brasília-6.10.2015

Há quase cinco anos sob os cuidados da Fundação Jardim Zoológico de Brasília, o leão Dengo morreu nesse domingo (29). O animal, que tinha 16 anos e aids felina, chegou à capital federal em 21 de julho de 2011 com problemas de desenvolvimento corporal causados por má alimentação e por falta de qualidade no confinamento anterior em um circo. No Distrito Federal, graças aos cuidados da equipe do zoo, melhorou e viveu até mais tempo do que um leão saudável: em média entre 13 e 14 anos.

Dengo recebia tratamento especial. Não podia ter contato com outros da mesma espécie, por conta da enfermidade, e recebia visitas diárias de veterinários, biólogos e zootecnistas.

Vivia em um espaço de 77 metros quadrados, com tanque de água e pontos de sombra e sol. “Dengo superou a expectativa de vida de um animal saudável em ambiente natural. Morreu com idade avançada apesar da imunodeficiência”, explica o diretor-presidente interino da Fundação Jardim Zoológico, Erico Grassi.

A vida no zoológico foi melhor que os tempos de circo para a saúde do leão. Em 2011, Dengo chegou com escore corporal inferior a 2 — o índice reflete quanto o animal está magro ou gordo. O normal é acima de 2,5. Nos últimos meses, o leão alcançou entre 2,5 e 3.

A doença dele, porém, não tem cura. Em dezembro de 2015, Dengo apresentou quadro de prostração e anorexia. Após análise dos fluidos corporais, diagnosticou-se problema hepático grave.

Apesar dos medicamentos terem sido eficazes na melhora da qualidade de vida do leão, Dengo apresentou recaída no início da semana passada. Foi medicado com analgésicos, anti-inflamatórios, antibióticos e remédios para o sistema gástrico.

Na manhã desse domingo, no entanto, o animal não resistiu. A causa exata da morte só será conhecida após diagnóstico dos médicos veterinários do Hospital Veterinário da Universidade de Brasília.

Dudu está bem
Dengo esteve sob intenso tratamento desde o início de sua estadia em Brasília quando chegou em um avião da Força Aérea Brasileira. A aids felina impedia o contato com outros leões. Dudu, de 22 anos, não tem a doença.

Edição: Renaro Cardozo