21/10/16 11:42
Atualizado em 21/10/16 às 12:26

Programa estimula uso de energia solar em Brasília

Regras publicadas no Diário Oficial dessa quinta-feira (20) preveem instalação de placas conversoras de luz do sol em eletricidade em residências, comércios, escolas, universidades e hospitais. Em outubro, alunos da Fábrica Social aprenderam a montar o sistema

O Distrito Federal deu um passo importante para minimizar os efeitos do aquecimento global e de prováveis crises energéticas no futuro, com a criação do Brasília Solar, programa de estímulo ao uso de energia solar fotovoltaica.

O objetivo da iniciativa é incentivar a utilização de placas conversoras de luz natural em eletricidade em casas, comércios, escolas, universidades e hospitais. As regras estão no Decreto nº 37.717, publicado nessa quinta-feira (20) no Diário Oficial do DF.

O Executivo tem como meta aumentar a capacitação de pessoas para trabalhar nos variados segmentos da cadeia produtiva da energia solar. Em outra frente, a administração pública pretende atrair parcerias nacionais e internacionais, além de incrementar ações de comunicação para fixar a mensagem na população.

Alunos assistem à aula inaugural do curso de nstalação e manutenção de sistemas fotovoltaicos da Fábrica Social .
Aula inaugural do curso de instalação e manutenção de sistemas fotovoltaicos da Fábrica Social foi em 3 de outubro. Foto: Gabriel Jabur/Agência Brasília – 3.10.2016

Mesmo antes do decreto, Brasília já vinha se preparando para expandir o uso de energia solar. Em 3 de outubro, alunos da área de instalação e manutenção de sistemas fotovoltaicos da Fábrica Social participaram da aula inaugural do curso de instalação de placas conversoras de luz solar em eletricidade.

Energia solar ajuda o meio ambiente

O programa será coordenado pela Secretaria do Meio Ambiente, mas envolverá diretamente pelo menos 11 outros órgãos do governo do DF.

Na justificativa para a criação do Brasília Solar, o Executivo destaca que a capital do País tem vantagens para o desenvolvimento da energia alternativa, pois se situa em uma das regiões mais atingidas por irradiações solares do Brasil. Outro facilitador são os terrenos planos, com menos sombras.

A tecnologia também tem impacto positivo na natureza, porque reduz as emissões de gases de efeito estufa, como garante o secretário executivo de Colegiados Ambientais, da Secretaria do Meio Ambiente, Dálio Filho.

O mundo, explica ele, passa por grave crise climática em função das ações humanas que aumentam as emissões de gases de efeito estufa na atmosfera. “A energia alternativa representa ganho na qualidade de vida, e a intenção do governo é dar o exemplo para estimular a sociedade a ir adotando esse sistema”, observa.

Edição: Vannildo Mendes