18/11/16 21:14
Atualizado em 21/11/16 às 9:15

Realidade das contas públicas é apresentada a sindicatos de servidores

Secretário de Fazenda e chefe da Casa Civil expõem o caixa e a folha de pagamento do governo de Brasília para atestar escassez de recursos

Para ampliar o diálogo com os servidores públicos do governo de Brasília, o secretário de Fazenda, João Antônio Fleury, e o chefe da Casa Civil, Sérgio Sampaio, reuniram-se nesta sexta-feira (18) com representantes de sindicatos da categoria.

O secretário de Fazenda, João Antônio Fleury, durante reunião com sindicatos de servidores nesta sexta-feira (18), no Palácio do Buriti.
O secretário de Fazenda, João Antônio Fleury, durante reunião com sindicatos de servidores nesta sexta-feira (18), no Palácio do Buriti. Foto: Toninho Tavares/Agência Brasília

O objetivo do encontro, no Palácio do Buriti, foi apresentar a situação delicada das contas públicas e explicar a falta de recursos para aumentos salariais no momento.

No início da gestão, o governo herdou um passivo de R$ 2,4 bilhões. Parte desse valor já foi paga, e até dezembro o saldo negativo deverá baixar para R$ 1,1 bilhão. “Não conseguimos pagar uma dívida desse montante de uma única vez. Nossa meta é chegar no final de 2017 devendo no máximo uns R$ 500 milhões e liquidar o restante até o meio de 2018”, explicou o titular da Fazenda.

72,16%Percentual das despesas do governo comprometido com a folha do funcionalismo

Segundo o levantamento apresentado pela secretaria na reunião, as despesas em 2016 chegaram a R$ 19.692.455.305,02. Desse valor, R$ 14.210.514.143 são destinados à despesa de pessoal, o que equivale a 72,16% do total dos gastos, conforme a contabilidade disponibilizada no Sistema Integrado de Gestão Governamental (Siggo).

Os recursos da receita de Brasília são oriundos de transferências do Governo Federal e de recebimento de tributos, como o Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU) e o Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores (IPVA).

Fleury acrescentou que a folha tem crescimento vegetativo anual de cerca de 3%, mesmo quando não há reajuste. “Isso ocorre porque o servidor recebe promoções na carreira, se tiver concluído uma graduação ou uma pós-graduação, por exemplo”, observa.

"Havendo uma possibilidade de fazer reajustes, a gente vai fazer. Mas, no momento, não tem dinheiro em caixa"João Antônio Fleury, secretário de Fazenda

Segundo o titular da Fazenda, este ano o gasto salarial deverá ter aumento de R$ 600 milhões em comparação com o ano passado.

Durante a reunião, representantes do sindicato questionaram as planilhas apresentadas pelo governo, a ausência de reajuste salarial, as condições de trabalhos e outros temas.

“O governo não consegue viver só de pagar salários”, afirmou o secretário, ao explicar que recursos também são necessários para investimentos e manutenção. “Havendo uma possibilidade de fazer reajustes, a gente vai fazer. Mas, no momento, não tem dinheiro em caixa”.

Fleury se prontificou a fazer novas reuniões e a abrir os resultados do Siggo com os dados públicos. Para os próximos encontros – ainda não marcados -, ele deverá enviar os dados aos sindicatos antes da reunião.

Edição: Vannildo Mendes

Galeria de Fotos

Realidade das contas públicas é apresentada a sindicatos de servidores