8/8/17 17:05
Atualizado em 9/8/17 às 9:36

Habita Brasília abrirá novas quadras em Samambaia e no Recanto das Emas

As novas áreas vão beneficiar cerca de 25 mil pessoas. Movimentos habitacionais acompanharam a votação de projetos urbanísticos no Conplan

O Conselho de Planejamento Territorial e Urbano do Distrito Federal (Conplan) aprovou, por unanimidade, os projetos urbanísticos para construção de novas áreas residenciais em Samambaia e no Recanto das Emas.

A medida, inserida no programa Habita Brasília, representa importante conquista do Executivo local no enfrentamento do déficit de moradias na capital do País. A decisão foi tomada na segunda-feira (7).

25 milNúmero de pessoas que serão beneficiadas com novas áreas habitacionais

As novas áreas devem beneficiar cerca de 25 mil pessoas. Os processos foram submetidos ao colegiado, que seguiu o voto dos relatores. A sessão contou com a participação de representantes do movimento habitacional do DF.

No Recanto das Emas, as novas quadras ficam no Centro e no Subcentro Urbano (400 a 600). Em Samambaia, a expansão contempla as quadras 100 ímpares e o Subcentro Oeste da região.

Os projetos urbanísticos preveem:

  • Lotes residenciais unifamiliares
  • Casas sobrepostas
  • Uso misto
  • Comércio e serviços
  • Instalação de equipamentos públicos.

Outro ponto importante para as futuras quadras é a integração com as principais vias de transporte das duas regiões, além da incorporação de ciclovias.

De acordo com o secretário de Gestão do Território e Habitação, Thiago de Andrade, os projetos trazem uma mudança de paradigma, porque contemplam regiões centrais e propiciam moradia digna e desenvolvimento econômico.

“Revertemos a concepção de construir unidades habitacionais em áreas cada vez mais periféricas, onde não há cobertura de transporte e serviços, e focamos em regiões que possuem potencial de desenvolvimento urbano”, explica.

Com a aprovação dos projetos, cabe agora à Agência de Desenvolvimento do DF (Terracap) dar sequência ao processo de licenciamento dos parcelamentos.

Tão logo as licenças necessárias sejam emitidas, os projetos serão publicados no Diário Oficial do DF, e os de infraestrutura poderão ser contratados.