28/2/18 15:42
Atualizado em 28/2/18 às 17:28

Estratégia Saúde da Família chega a 69,1% de cobertura

Na mudança do modelo de atenção primária, governo de Brasília investiu na construção de novas UBS e ampliou horário de atendimento e número de equipes. Índice foi apresentado em entrevista coletiva no Buriti nesta quarta (28)

A Estratégia Saúde da Família alcançou 69,1% de cobertura no Distrito Federal. O aumento do índice é de 100% se comparado aos 34% de cobertura do início do processo de conversão, em fevereiro de 2017, que mudou a política de atenção primária em Brasília.

O secretário de Saúde, Humberto Fonseca, o governador Rodrigo Rollemberg, e o secretário adjunto da pasta, Daniel Seabra.
O secretário de Saúde, Humberto Fonseca, o governador Rodrigo Rollemberg, e o secretário-adjunto da pasta, Daniel Seabra. Foto: Toninho Tavares/Agência Brasília

O índice foi apresentado em entrevista coletiva nesta quarta-feira (28) pelo governador Rodrigo Rollemberg, o secretário de Saúde, Humberto Fonseca, e o adjunto da pasta, Daniel Seabra, no Palácio do Buriti.

“Um dos grandes benefícios é atender [as pessoas] no seu território com efetividade e reduzir a procura nas emergências”, disse o governador.

2,05 milhõesNúmero de habitantes assistidos pela Estratégia Saúde da Família no DF

A ampliação do modelo significa assistência pelas equipes de saúde da família a 2.058.750 habitantes — 1.020.000 a mais que antes das mudanças (1.038.750).

Em janeiro de 2017, o Distrito Federal contava com 277 equipes de saúde da família. Em um ano, foram criadas mais 272, o que resultou nas atuais 549.

De acordo com o secretário de Saúde, em breve será lançado um novo concurso público para médicos da família. “Faltam sete médicos de família para chegarmos a 70% de cobertura e 47, para 75% de cobertura.”

Humberto Fonseca falou ainda sobre a importância da mudança de entendimento da população: “As pessoas devem ter acesso à Saúde via atenção primária. A cultura de procurar o hospital existia porque a atenção primária não funcionava, agora estamos dando condições para que funcione”.

O secretário explicou que o atendimento nas 162 unidades básicas de saúde (UBS) ativas ocorre de duas maneiras: por demanda instantânea ou programada. O objetivo, segundo Fonseca, é alcançar 100% de cobertura com Estratégia Saúde da Família, com prioridade para as regiões mais vulneráveis.

Horário de atendimento ampliado e construção de novas UBS

O governo também estendeu o horário de funcionamento de UBS com mais de três equipes de saúde da família. Além de funcionarem das 7 às 19 horas, de segunda a sexta-feira, inclusive no horário de almoço, elas passaram a abrir aos sábados, das 7 às 12 horas.

Outra medida para aumentar a cobertura do novo modelo foi o início da construção de quatro novas unidades: uma em Samambaia, entregue em 18 janeiro; duas em Ceilândia, com obras em fase final; e uma na Fercal.

Para este semestre estão previstas mais quatro: em Ceilândia, em Planaltina, no Recanto das Emas e em Samambaia.

As UBS do Riacho Fundo II, de Sobradinho, de Sobradinho II e da Asa Sul foram reformadas, e estão em obras duas em Planaltina e uma em Ceilândia. Para 2018, pelo menos mais seis deverão ser reparadas.

Com as mudanças, algumas regiões do DF já ultrapassam 100% de cobertura:

  • Fercal (147,6%)
  • Riacho Fundo II (128,1%)
  • Itapoã (110,5%)
  • Estrutural (110,4%)

Cada equipe é responsável, em média, por 3.750 pacientes.

Conversão atende à Política de Atenção Primária à Saúde

A conversão do modelo de atenção primária à saúde começou em 15 de fevereiro de 2017, com a publicação das Portarias nº 77 e 78, que estabelecem a Política de Atenção Primária à Saúde do DF e disciplinam o processo.

A partir disso, houve capacitação de profissionais e novas contratações, além da compra de insumos e de 6,3 mil novos equipamentos.

Gradativamente, as unidades passaram a funcionar com a nova forma de assistência, com equipes compostas por técnicos de enfermagem, agentes comunitários de saúde, enfermeiros, médicos de família e comunidade e, em alguns casos, profissionais de saúde bucal.

Reorganização da rede a partir da atenção primária

Com o fortalecimento da atenção primária, a Secretaria de Saúde reorganiza o acesso às urgências e emergências.

A pasta também estrutura a rede de atenção secundária, com um conjunto de equipamentos que complementará o atendimento nas UBS.

Em dezembro, o governo inaugurou o Centro Especializado em Diabetes, Obesidade e Hipertensão, um dos espaços que passou a integrar a rede.

Na coletiva, Rodrigo Rollemberg destacou outras ações na saúde, como a mudança na gestão do Hospital de Base. “Tivemos recentemente a compra de 180 medicamentos pelo Instituto Hospital de Base, especialmente para o tratamento de câncer. Foram adquiridos em 20 dias, com 10% de redução do valor, quando a média na secretaria é de oito meses”, pontuou.

Ele citou ainda a construção do Bloco 2 do Hospital da Criança, que permitirá a abertura de cerca de 200 novos leitos para atendimento de pediatria em Brasília.

Edição: Raquel Flores

Galeria de Fotos

Estratégia Saúde da Família chega a 69,1% de cobertura