1/2/19 16:40
Atualizado em 1/2/19 às 17:39

GDF lança campanha sobre prevenção da gravidez na adolescência

Iniciativa da Secretaria de Justiça e Cidadania (Sejus), por meio da Subsecretaria de Políticas para Crianças e Adolescentes, reúne, durante o mês de fevereiro, eventos relacionados à questão de saúde

Secretaria de Justiça lança campanha sobre prevenção de gravidez na adolescência. Foto: Divulgação

 

Nesse período, serão realizadas atividades preventivas e educativas, pelo poder público e por organizações da sociedade civil, em todo o Distrito Federal. De acordo com o Secretário de Justiça e Cidadania do DF, Gustavo Rocha, a Sejus compromete-se a atuar, não apenas durante a semana instituída pela lei, mas com ações sistemáticas, consistentes e continuadas, ao longo do ano, para disseminar informações sobre medidas preventivas e educativas que contribuam para a redução da incidência da gravidez na adolescência.

“Nosso compromisso é promover a reflexão e conscientização, a partir da discussão com especialistas para o enfrentamento desse problema de saúde pública, que sacrifica nossos adolescentes e o futuro da nação”, reforçou o secretário.

A subsecretária de Políticas para Crianças e Adolescentes, Adriana Faria, destaca a importância de medidas preventivas e educativas que contribuam para a redução dessa incidência. “A programação busca direcionar ações de conscientização aos adolescentes: aos que são atendidos nos centros de atenção à criança e ao adolescente; aos que cumprem medida socioeducativa; e aos que formam o Comitê Consultivo dos Direitos da Criança e Adolescente (CDCA/DF); além de envolver representantes dos Conselhos Tutelares.”

A campanha sobre prevenção da gravidez na adolescência é uma resposta à Lei nº 13.798/2019, que acrescenta ao Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) – Lei 8.069/1990 –, um novo artigo instituindo a data de 1º de fevereiro para o início da Semana Nacional de Prevenção da Gravidez na Adolescência.

Mortalidade

A gravidez na adolescência é causa importante de mortalidade juvenil, perdendo em números apenas para homicídios e acidentes no trânsito, segundo dados da Organização Mundial de Saúde (OMS). Uma consequência avassaladora é o abandono da escola, prejudicando a formação intelectual e, muitas vezes, interrompendo, ou comprometendo a construção de uma carreira profissional.

Para a OMS, os adolescentes são indivíduos entre 10 e 20 anos, que representam 23% da população brasileira. Dados de fevereiro de 2018 revelavam que, na América Latina e no Caribe, a taxa de gravidez entre adolescentes é a segunda mais alta do mundo, superada apenas pela média da África Subsaariana.

Risco

A adolescente que engravida precocemente enfrenta situação de risco, pois o corpo, em formação, não está pronto para uma gestação. O bebê pode nascer prematuro e, na maioria dos casos, há complicações na gravidez e no parto.  Contribuem para a gravidez na adolescência fatores como a pobreza; a falta ou inadequação de modelos de identificação oferecidos pela sociedade, como um enaltecimento da mulher grávida.

Parceiros

São parceiros da inciativa da Sejus, a Secretaria de Saúde do DF; a Subsecretaria do Sistema Socioeducativo; o Conselho dos Direitos da Criança e do Adolescente do DF (CDCA/DF); a Defensoria Pública do DF; o Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios (TJDFT) e o Sistema Fibra.

Programação da campanha