16/5/19 16:50
Atualizado em 16/5/19 às 16:54

Dois eixos e uma cidade única

Lucio Costa trouxe para a capital conceitos inovadores que deram qualidade de vida aos moradores e fizeram Brasília ser triplamente reconhecida enquanto patrimônio cultural

O cruzamento dos eixos Monumental e Rodoviário é o princípio da organização de Brasília Foto: Paulo H. Carvalho / Agência Brasília

Dois eixos cruzando-se, formando o sinal da cruz. Assim nasceu Brasília na cabeça e nas mãos de Lucio Costa. Inspirado na cidade-verde do arquiteto franco-suíço Le Corbusier, o urbanista trouxe para a capital conceitos inovadores como a horizontalidade, a setorização e a funcionalidade. Características que deram qualidade de vida aos moradores e fizeram de Brasília uma cidade única, triplamente reconhecida enquanto patrimônio cultural: protegida pelo Governo do Distrito Federal, tombada pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) e reconhecida como Patrimônio da Humanidade pela Unesco.

O cruzamento dos dois eixos, o Monumental e o Rodoviário, é o princípio da organização da cidade. Na primeira proposta, eles eram retos, mas o horizontal acabou arqueado para facilitar o escoamento das águas, resultando, assim, na conhecida forma de avião. Ao longo do eixo vertical, Lucio Costa ordenou os setores de administração governamental. “Os centros cívico e administrativo, o setor cultural, o centro de diversões, o centro esportivo, o setor administrativo municipal, os quartéis, as zonas destinadas à armazenagem, ao abastecimento e às pequenas indústrias locais, e, por fim, a estação ferroviária, foram-se naturalmente ordenando e dispondo ao longo do eixo transversal”, explica o próprio Lucio Costa no poético Relatório do Plano Piloto de Brasília. “Lateralmente à intersecção dos dois eixos localizaram-se o setor bancário e comercial, o setor dos escritórios de empresas e profissões liberais e, ainda, os amplos setores do varejo comercial”, acrescenta o texto.

Faixa verde em volta dos blocos cria uma barreira para o barulho e garante sombra na superquadra Foto: Paulo H. Carvalho / Agência Brasília

Na extremidade leste do Eixo Monumental, está a Praça dos Três Poderes, contrariando o posicionamento mais central das praças em outras cidades. Na convergência dos dois eixos está a Rodoviária, “uma grande plataforma liberta do tráfego que não se destine ao estacionamento”, explica o Relatório. “Lucio Costa traz para o centro o cotidiano da cidade. Ele põe de um lado os ministérios e o Congresso Nacional, cuja melhor vista é da plataforma da Rodoviária. Do outro lado, ele coloca a Torre de TV, os edifícios que completam a escala monumental e na ponta coloca a Rodoferroviária. O sol nascendo atrás do Congresso e se pondo no Parque Nacional”, afirma Cláudia Garcia, professora da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de Brasília (UnB).

No Eixo Rodoviário, ele distribuiu uniformemente o conjunto residencial de Brasília: 16 quadras do lado norte e 16 quadras do lado sul. E aplicou princípios da técnica rodoviária à técnica urbanística, “inclusive a eliminação de cruzamentos conferindo-se ao eixo arqueado a função circulatória tronco, com pistas centrais de velocidade e pistas laterais para o tráfego local”, relatou Lucio Costa. O urbanista também criou as tesourinhas para os carros circularem pela cidade no sentido leste/oeste, também sem cruzamentos para garantir a fluidez do trânsito.

Superquadras

Especialistas apontam que a grande contribuição de Lucio Costa ao urbanismo mundial está no projeto das superquadras, que criou uma nova forma de se viver em apartamento. “Quanto ao problema residencial, ocorreu a solução de criar-se uma sequência contínua de grandes quadras dispostas de ambos os lados da faixa rodoviária e emolduradas por uma larga cinta densamente arborizada”, descreve o Relatório do Plano Piloto de Brasília. “Ele criou um renque de árvores em volta das superquadras preocupado em garantir uma qualidade ambiental e acústica. A faixa verde tem uma dupla função: garantir a melhoria da acústica porque a árvore cresceria e criaria uma barreira para o barulho e garantir sombra em torno do quadrado da superquadra onde as pessoas circulam”, diz a professora Cláudia Garcia.

Para o superintendente do Iphan-DF, Carlos Madson Reis, é na superquadra que a cidade esquece seu papel de capital do país e símbolo mundial da arquitetura moderna e revela seu lado citadino. “Lucio Costa, ao romper com a estrutura do quarteirão convencional, abrindo-o e transformando-o em um amplo bosque entremeado por blocos residenciais multifamiliares, de até seis pavimentos em pilotis livres, liberando o chão para uso público indistinto, concebeu uma nova maneira de morar em área urbana”, diz. “Falar em superquadra é falar de Brasília. É aqui, neste ambiente intimista e bucólico, que aflora no brasiliense o sentido de pertencimento a um lugar e a uma comunidade”, completa.

Quadra modelo

Lucio Costa disse que os blocos residenciais poderiam dispor-se de maneira variada nas super-quadras (assim mesmo, com hífen, como foram chamadas por ele em 1957), mas teriam que obedecer a alguns princípios: gabarito máximo uniforme de seis pavimentos (apesar de o bloco D da 308 Sul ter quatro andares), pilotis e separação do tráfego de veículos do trânsito de pedestres.

Bloco D da 308 Sul é o único do Plano Piloto com quatro andares Foto: Vinícius de Melo / Agência Brasília

“A mãe saía na janela e chamava a criança no parquinho para almoçar sem ter que descer”, relata João Luiz Valim Batelli, 65 anos, que presenciou essa cena inúmeras vezes na década de 1960. Nascido em São Paulo e morador da capital desde os 5 anos, ele cresceu na SQS 308, considerada a quadra modelo porque seguiu à risca o projeto de Lucio Costa de como deveriam ser todas as quadras do Plano Piloto. “Meus pais vieram para Brasília em 1959, com a transferência de meu pai. Minha mãe deu aula na Metropolitana e de lá veio para a Escola Classe 308 em 1960”, conta.

Batelli, que acabou formando-se arquiteto, fez o primário na Escola Classe 308 e, no contra turno das aulas, frequentava a Escola Parque 308 Sul. “Era um estudo complementar, na proposta do Anísio Teixeira. Eu passava a manhã na escola classe e o outro período lá. Tinha aulas de artes, música… Era fantástico. A gente ia paro auditório, às vezes era só uma palestra, mas colocavam música clássica… Aprendi a gostar de música clássica assim. Tenho o hábito de frequentar o teatro até hoje, aprendi a gostar na escola”, recorda-se.

A proposta de Brasília mudou a imagem de ‘morar em apartamento’, e isto porque morar em apartamento na superquadra significa dispor de chão livre e gramados generosos contíguos à “casa”, numa escala que um lote individual normal não tem possibilidade de oferecer Lucio Costa, Brasília Revisitada, 1987

João Luiz Valim Batelli, 65 anos, mora em Brasília desde os 5 anos e cresceu na SQS 308, a quadra modelo Foto: Vinícius de Melo / Agência Brasília

Unidade de Vizinhança

O garoto viveu de perto outro conceito inovador implementado por Lucio Costa em Brasília: a Unidade de Vizinhança, formada pelo conjunto de quatro superquadras que deveria dispor, numa distância acessível a pé, todas as facilidades necessárias à vida cotidiana. O plano consistia em conferir serviços básicos a cada quatro superquadras para atender os blocos residenciais com comércio, lazer, instituições educacionais, religiosas, desportivas e culturais. “A ideia era que, antes de fazer a opção de pegar o carro, o morador refletisse se queria mesmo tirá-lo da garagem, já que teria o comércio aqui à mão, como a padaria e a farmácia, o cinema, o clube, a igreja. Tudo perto de casa”, afirma João Luiz Valim Batelli.

A ideia também era promover a sociabilidade e as relações de vizinhança, onde os moradores se conhecem, compartilham dos mesmos espaços e necessidades. Entretanto, apenas uma Unidade de Vizinhança ficou completa, com todos os equipamentos previstos no projeto original – o conjunto formado pelas Superquadras 107, 307, 108 e 308 Sul, construídas nos primeiros momentos de Brasília.

As demais estão incompletas e não contam com os equipamentos comunitários previstos, a não ser o comércio local, sendo frequentes também as igrejas. Cinemas e Clubes de vizinhança, por exemplo, só existem na citada Unidade da Asa Sul. “Aprendi a nadar no Unidade de Vizinhança, ia para o clube durante a semana nos intervalos da escola. O cinema que frequentávamos era o Cine Brasília, assistíamos missa na Igrejinha”, conta. “Quando eu vim para Brasília eu era muito novo e convivia sem questionar muito. Depois de velho é que percebi o privilégio de ter vivido tudo isso, de ter crescido dentro do projeto de Lucio Costa”, afirma.

O uso comunitário seria a tônica dominante da convivência urbana. Esse conceito de uso coletivo do espaço vai além das áreas externas das edificações. Passa também pelo espaço dos próprios blocos residenciais, que foram erguidos sobre pilotis, permitindo a livre circulação de pessoas em qualquer direção. “Com os pilotis, Lucio Costa liberou o uso do solo. Foi uma desapropriação por parte de uma única pessoa daquele espaço. O espaço da superquadra é de ninguém específico e, ao mesmo tempo, é de todo mundo. Por isso que é proibido o fechamento dos pilotis. Ele pensou que essa área pública seria de todos. É uma cidade que tem uma visão humanista e social muito forte”, diz a professora da UnB, Cláudia Garcia.

No memorial do projeto do plano piloto, Lucio Costa batizou a capital como Brasília em homenagem a José Bonifácio que já tinha proposto o nome em 1823