15/10/19 21:16
Atualizado em 16/10/19 às 16:55

Conta de energia ficará mais barata

Redução na tarifa para o consumidor final não causará impacto na arrecadação da companhia

A Companhia Energética de Brasília (CEB) comunicou nesta terça-feira (15) a deliberação da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) por reajustar as tarifas de energia da CEB Distribuição (CEB-DIS), a partir do dia 22 (terça-feira) , com efeito médio de – 6,79% ao consumidor.

Apesar da redução na conta de energia para o consumidor final, o reajuste negativo não impactará na arrecadação da CEB, que tem realizado uma gestão focada na otimização dos recursos, redução da inadimplência e combate às perdas.

O Reajuste Tarifário Anual (RTA) é um dos mecanismos de atualização do valor da energia paga pelo consumidor, aplicado de acordo com fórmula prevista no contrato de concessão. Ao calcular o reajuste, a Aneel considera vários fatores não gerenciáveis pelas distribuidoras, como o custo para aquisição de energia, os serviços de transmissão e os encargos setoriais. São valores que não entram no caixa da empresa – é, em vez disso, arrecadado e repassado para outros agentes do setor elétrico, como usinas geradoras, transmissoras etc.

Os fatores que mais contribuíram para o índice global negativo foram os percentuais de – 5,92% para o CDE (Conta-ACR e de – 1,90% para o CDE (Decreto 7945/2013), ambos encargos setoriais do sistema elétrico brasileiro.

No cálculo da nova tarifa, foi considerado um reajuste positivo de 0,65% na Parcela B, que representa os valores que remuneram o serviço prestado pela CEB-DIS. Na prática, a distribuidora deve arrecadar, nos próximos 12 meses, cerca de R$ 17 milhões a mais, sem impacto na conta de energia do consumidor final.

Os consumidores com fornecimento em baixa tensão (residências e comércio de pequeno porte) terão reajuste de – 6,91%, enquanto para os clientes conectados em alta tensão (indústrias e os grandes comércios) o reajuste será de – 6,52%.

 

* Com informações da CEB